Caetano Veloso
O cantor e compositor baiano Caetano Veloso (FOTO: Reprodução)

Na edição desta quarta-feira (29) do jornal inglês The Guardian, o cantor e compositor baiano Caetano Veloso, 77 anos, foi um dos principais destaques da entrevista. Sendo um dos cantores brasileiros reconhecidos internacionalmente, ele falou sobre tudo e destacou o incomodo ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

O ícone da MPB, classificou a atuação do presidente como “confusa” e “incompetente“. Para ele, o governo atual é uma “raquete de insanidades“.

Ter um governo militar é horrível e Bolsonaro é tão confuso, tão incompetente. O governo dele não fez nada. O que o executivo brasileiro fez no período desde que ele foi presidente? Nada … Não houve governo – apenas uma raquete de insanidades

Caetano, que há 50 anos viveu em Londres, exilado pela ditadura militar brasileira, como destaca o texto e sua trajetória no país, falou sobre o momento difícil. “Demorei um pouco para começar a gostar de Londres. Era quase como se eu estivesse indo para outro planeta, uma tribo diferente, uma cultura e um jeito de ser diferentes“, relembrou ele, que viveu na Inglaterra em dezembro de 1968.

Segundo o jornal, isso aconteceu após notícias falsas de que ele e Gilberto Gil profanaram a bandeira nacional, além do hino. Isso era inaceitável na época da ditadura militar. Ele, inclusive, chegou a ser preso por isso.

LEIA TAMBÉM: Curado, Zé Neto, da dupla com Cristiano, reúne amigos e zomba: “É a turma da Covid aqui”

Não, a ditadura não é o Brasil! Mas é claro que sabíamos que a ditadura era um sintoma do Brasil, uma expressão do Brasil – e era isso que o Brasil estava sendo naquele momento, assim como é. sendo um monte de coisas hoje que não são fáceis de engolir

Sobre um paralelo com os dias de hoje, ele fala sobre o presidente: “Você não pode dizer que Bolsonaro não é o Brasil“, acrescentou. “Ele é muito parecido com muitos brasileiros que eu conheço. Ele é muito parecido com o brasileiro médio, na verdade, a capacidade dele e de seu bando de permanecer no poder depende de enfatizar essa identificação com o brasileiro ‘normal’. “

Caetano ainda criticou a postura do presidente quando foi infectado pelo coronavírus. “É bestial, e o presidente mantém sua posição, mesmo tendo sido infectado. Ele nem se comportou como Boris Johnson, que mudou de tática depois de ser infectado“, disse Caetano.