Em raro protesto, Ludmilla e Brunna pedem saída de Bolsonaro do poder

As duas protestaram por meio de seus Stories nesta segunda-feira

Publicado em 21/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta segunda-feira (21), Ludmilla e sua esposa, Brunna Gonçalves, pediram a saída do presidente Jair Bolsonaro do poder. Em um raro protesto, as duas usaram uma publicação originalmente feita pelo Mídia Ninja.

“500 motivos para Fora Bolsonaro”, dizia os Stories compartilhado pelas duas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

 

Em 2018, Ludmilla rompeu com uma grife apoiadora de Bolsonaro, relembre:

Depois de Pabllo Vittar romper sua parceria com a grife Victor Vicenzza, agora foi a vez da cantora Ludmilla ir pelo mesmo caminho. A razão? O polêmico apoio do dono da marca à Jair Bolsonaro.

Muitos cantores e personalidades da comunidade LGBT também manifestaram contra o posicionamento político do estilista Victor Vicenzza. A declaração pública de apoio a Jair Bolsonaro veio no fim de agosto. Já mais recentemente a marca reafirmou sua posição política ao lançar uma campanha com 17% de desconto (referência ao número do candidato nas urnas). A empresa chegou a lançar uma linha de botas com desenhos do rosto de Jair Bolsonaro.

O apoio da marca ao deputado carioca, cuja campanha é marcada por declarações consideradas racistas e homofóbicas, caiu como uma bomba para a comunidade LGBT. A grife era conhecida por botas voltadas para drag queens.

Ao contrário de Pabllo Vittar, a cantora Ludmilla encerrou sua parceria com Victor Vicenzza discretamente e sem causar alarde nas redes sociais. Ludmilla ainda não se manifestou sobre o fim da parceria, mas especula-se que ela tenha cancelado o contrato em respeito aos fãs LGBTs.

Loja boicotada por Pabllo Vittar oferece desconto de 17% em apoio a Bolsonaro

Após Pabllo Vittar desvincular sua imagem de uma marca de calçados apoiadora do candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL), a loja anunciou uma promoção com descontos de 17%. O valor do desconto faz alusão ao número do partido do deputado federal. Pabllo havia se manifestado pelas redes sociais que não irá aliar seu trabalho a um discurso que “desrespeita direitos humanos”.

VEJA TAMBÉM: Paul McCartney revela ter visto Deus após usar droga alucinógena

Em resposta ao cancelamento da parceria entre a cantora e a marca, o proprietário da loja Victor Vicenzza divulgou uma nota reafirmando o seu apoio ao candidato do PSL. Ele ainda explica que a campanha “Shinning”, que contou com a participação de Pabllo, teve o objetivo de lutar contra preconceitos. Segundo o empresário, o fato não mudará seu apoio a Bolsonaro. A marca chegou a ser acusada de oportunismo, já que vende sapatos para o público LGBT e apoia um candidato que já fez declarações homofóbicas publicamente.

Através do stories do Instagram da marca, um gráfico foi publicado mostrando que o número de acessos da loja aumentou. A postagem afirma que a “tentativa de boicote da esquerda” aos produtos da empresa não irá funcionar. A marca chegou a usar hashtagscom termos ligados à direita como “direita unida”.

O próprio candidato Jair Bolsonaro respondeu à uma postagem da marca com uma mensagem de apoio e desejando boas vendas à empresa. Por outro lado ativistas dos direitos LGBT, como a youtuber e drag queen Lorelay Fox, também comentou sobre o caso. “Fiquem de olho que muita marca deve usar a gente assim, amigos!”. A drag afirmou que o discurso da loja é contraditório e pediu cuidado com “falsos aliados” do movimento.
 

 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio