Emicida, Criolo e Marcelo D2 fazem vídeo contra Jair Bolsonaro

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Um coletivo de artistas de hip-hop lançou um vídeo na última quarta-feira (dia 17) em protesto contra a candidatura de Jair Bolsonaro à presidência do país. No manifesto intitulado “Rap Pela Democracia”, cantores como Criolo, Emicida, Marcelo D2, Rael, Tássia Reis, BNegão, Rincon Sapiência, Tássia Reis e Rapin Hood protestam a favor dos valores democráticos no BRasil.

No vídeo os cantores pedem aos fãs do politizado gênero musical urbano que neste segundo turno das eleições não votem em Bolsonaro devido à ideologia autoritária e conservadora das suas propostas. Filipe Ret, um dos participantes do manifesto, afirma:“As ideias do Bolsonaro são irresponsáveis e ferem nosso senso crítico e nossa inteligência”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Já Marcelo D2, que vem tecendo críticas ao militar aposentado nas redes sociais, explicou: “Não viemos aqui para fazer campanha, nem passar pano para corrupção”. O rapper paulista Emicida também endossa o manifesto resgatando as origens multirraciais do surgimento do rap: “nasceu de imigrantes jamaicanos radicados no Bronx, em meio a chineses, latinos e afrodescendentes”.

O manifestou ainda defende que não se vote branco ou nulo, o que poderia ajudar o líder na campanha, Jair Bolsonaro. Assista abaixo:

Marcelo D2 critica Bolsonaro e internauta lhe chama de “maconheirinho”

Marcelo D2, tem usado sua conta no Twitter para fazer campanha contra o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL). O rapper que sempre teve um comportamento mais politizado, vem criticando o militar aposentado e seus apoiadores.

Em uma das suas últimas postagens feitas no domingo (dia 14), Marcelo D2, disparou contra o candidato do PSL, questionando: “Me diz, como alguém vota num doente desses?”. Junto da pergunta, D2 postou um vídeo em que Bolsonaro aparece falando: “Tenho imunidade parlamentar, então posso falar: sou homofóbico, sim!”.

VEJA TAMBÉM: Roger Waters faz homenagem a mestre capoeirista morto por eleitor de Bolsonaro

Em outro tuíte, D2 é criticado e chamado de “maconheirinho” por um usuário do Twitter que lhe acusou de estar criticando Jair Bolsonaro pelo fato de supostamente receber recursos para seus projetos através da Lei Rouanet.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio