emicida
O rapper paulistano Emicida (FOTO: Divulgação)

O rapper e produtor musical Emicida foi o convidado do programa Roda Viva, na TV Cultura da última segunda-feira (27). Durante a entrevista ele foi questionado pelo jornalista Alexandre De Maio, da Catraca Livre, se aceitaria se encontrar com o presidente Bolsonaro para debater sobre a organização política do Hip Hop. No entanto, a resposta do músico viralizou nas redes sociais.

Se eu aceitaria encontrar com o Bolsonaro para conversar sobre o Hip Hop, obviamente que não. Obviamente porque os valores que o Bolsonaro defende são completamente contrários a tudo que acredito“, afirma o cantor.

O artista então resgatou o raciocínio utilizando como exemplo o conceito do seu último álbum, AmarElo: “A capa do disco AmarElo é uma foto da Claudia Andujar. É uma fotógrafa que tem uma história de vida incrível. Ela é uma sobrevivente do nazismo… Ela vem para o Brasil e na exposição da Claudia Andujar é deprimente, porque tem o vídeo em que Bolsonaro aparece no Congresso Nacional, nos anos 1980 dizendo que ele ia fazer tudo o que ele está tentando fazer nesse momento. Então a natureza de alguém com esse tipo de pensamento, não se conecta de maneira nenhuma aos valores humanísticos que o Hip Hop defende. O Hip Hop é a luta constante de melhoria para todo mundo“.

LEIA TAMBÉM: Familiares e amigos se despedem do neto de Elvis Presley em funeral privado

Eu acho que tem uma construção que antecede esse encontro. Tem uma relação do pensamento de esquerda com a música Rap que antecede o encontro“, disse o rapper.

Depois do discurso contra Bolsonaro, o rapper ficou em primeiro lugar no Twitter. Confira.