Ozzy Osbourne
O músico britânico Ozzy Osbourne (FOTO: Reprodução)

O isolamento tem sido difícil para muitos de nós, mas para o ícone do metal Ozzy Osbourne, o tempo gasto em casa com a esposa Sharon vem sendo apenas o descanso que seu corpo precisava. O roqueiro de 71 anos ainda está se recuperando de uma cirurgia no ano passado para reparar uma lesão antiga que sofreu durante um acidente em 2003.

Após um ano de problemas de saúde e datas de turnês adiadas repetidamente, ele revela que está se sentindo muito bem atualmente. “Estou melhorando – é um processo lento, mas estou chegando devagar, mas com segurança”, disse Ozzy às apresentadoras do The Talk na quarta-feira (17 de junho) durante uma curta ligação através do aplicativo Zoom. Esta foi a primeira entrevista em vídeo do astro desde que a quarentena teve início em março.

VEJA TAMBÉM: Thiaguinho deixa recado para Fernanda Souza no dia do aniversário

Ele também descreveu como tem sido viver em quarentena durante a pandemia. “Tem sido bom, na verdade, porque estou me recuperando da cirurgia que fiz no ano passado. Nunca estive em casa por tanto tempo em toda a minha carreira”, disse o cantor que ficou com o braço pendurado na esposa durante toda a entrevista.

“Eu tive a chance de estar sob a perspectiva da minha esposa muito mais do que acabei saindo para turnê. Já experimentei seu lado, devo confessar “, acrescentou o músico que ainda no começo da turnê teve que adiar datas por razões médicas.

Osbourne estava planejando receber tratamento médico na Suíça no início deste ano, devido à doença de Parkinson. O tratamento também foi adiado devido à pandemia do coronavírus. Por enquanto, ele ainda planeja viajar ao Reino Unido e à Europa em uma turnê para divulgação do seu recente álbum de estúdio, Ordinary Man.

Confira a entrevista abaixo.

Recentemente, Jack, o filho do Lorde das Trevas foi questionado sobre a delicada questão de ter que lidar com o diagnóstico de Parkinson de Ozzy, tendo de ouvir e processar juntamente com o pai a notícia da nova doença: “O mais difícil para mim nesse processo foi que, com alguém como o meu pai, que participa ativamente do seu ofício e trabalha há 50 anos, é que, quando se diz a essa pessoa, ‘Ei, você pode não conseguir mais fazer isso’, a preocupação é igual a quando um cavalo de corrida já não pode correr, ele perde a vontade de continuar, e essa era a minha preocupação. Ele recebeu este diagnóstico realmente piedoso e teve uma lesão grave, como resultado disso, e havia um medo genuíno de que ele pudesse não ser mais capaz de executar a sua arte. Isso foi o que eu achei muito perturbador”.