Rennan da Penha
O DJ e produtor carioca Rennan da Penha (FOTO: Reprodução)

Meu dinheiro está PRESO e eu quase fui PRESA por NADA!!!!!! Não é pq eu sou preta e humilde que eu sou criminosa“. Foram exatamente com estas palavras que Lorenna Vieira, esposa do DJ Rennan da Penha, fez um protesto no seu Twitter sobre o tratamento recebido numa agência do Itaú, no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira (dia 30). A empresária foi até ao banco para desbloquear um cartão e sacar R$ 1.500. Foi o suficiente para que funcionários do banco achassem suspeitas as movimentações financeiras em sua conta corrente.

Eu fui ao banco tirar um dinheiro e desbloquear um cartão, porque perdi cartão e o outro não chegou na minha casa. Eu tive que ir lá buscar. Chegando lá, deu que estava bloqueado. Aí elas (as funcionárias) começaram a falar ‘ah, o banco pode achar que é fraude, que você é laranja’ e me deixaram lá esperando”, revelou Lorenna ao G1.

VEJA TAMBÉM: Gusttavo Lima bebe demais e revela que passa horas “chupando periquita” da esposa

Enquanto esperava pela solução do caso, Lorenna foi surpreendida pelos policiais que a levaram para a delegacia sem maiores explicações. “Ela (a funcionária) falou: ‘Só falta mais 15 minutinhos para o seu problema ser resolvido’. E aí chegaram os policiais. Eu fiquei revoltada na hora. Fiquei muito chateada, as pessoas ali devem achar que eu fui presa ou eu não sei. É uma vergonha, ridículo. Eu me senti ofendida. Segundo eles, eu sou fraude, laranja. Segundo eles, aquele dinheiro não era meu.”

Lorenna afirma ter se sentido ofendida e acredita que a ação dos policiais foi reflexo de preconceito racial. Na delegacia, a autenticidade dos seus documentos teria sido questionada por causa dos seus cabelos que estavam com um penteado diferente. “Eu até rasguei minha identidade, porque o policial falou que era quase impossível saber se era eu, porque o meu cabelo estava liso, falou que era pra eu jogar minha identidade fora e fazer outra com o meu cabelo natural. Se é uma pessoa branca que tem o cabelo alisado e depois deixa encaracolar, ninguém faria isso.”

Em nota, o Itaú se pronunciou sobre o caso

“O Itaú Unibanco lamenta e se desculpa pelos transtornos causados a Lorenna Vieira nesta quinta-feira, no Rio de Janeiro, e vem tentando contato com ela para resolver a situação. O Itaú Unibanco esclarece que o procedimento adotado na agência é padrão em casos de suspeita de fraude, e não tem qualquer relação com questões de raça ou gênero. O objetivo era proteger os recursos de Lorenna de possível fraude, uma vez que já havia um bloqueio preventivo de sua conta corrente e era difícil identificá-la com o documento apresentado no caixa. O Itaú Unibanco acredita que toda forma de discriminação racial deve ser combatida”.

A Polícia Civil se manifestou sobre o ocorrido

“De acordo com informações da 22ª DP (Penha), uma equipe foi até a agência do banco Itaú, localizada no Mercado São Sebastião, para verificar uma possível ocorrência de uso de documento falso, detectada por funcionários da agência. Os policiais convidaram a mulher a acompanhá-los à delegacia, que fica próxima ao local, para verificar a autenticidade do documento. Após ela concordar, eles foram à unidade em viatura descaracterizada, onde foi constatado que o documento era verdadeiro e ela foi liberada”, diz a nota.