O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Matthew Rolston)

A estrela de ‘Friends’ confessou ser fã da música de Michael Jackson, mas disse que não sabe se seu gosto pelo astro é algo sobre o qual ela deveria ser aberta, por conta das acusações que ceram o falecido cantor.

Michael – que morreu em 2009 – foi acusado de uma série de crimes de abuso sexual infantil e, embora ele tenha sido considerado inocente, outras alegações vieram à tona no polêmico documentário “Leaving Neverland“.

Quando questionada se ela ainda ouve o Rei do Pop, Courteney disse: “Eu amo a música de Michael Jackson, e é terrível. Ele ainda está nas minhas listas de reprodução e ninguém está dizendo nada, então vou simplesmente continuar.

Courteney Cox standing in front of a brick wall talking on a cell phone
A atriz Courteney Cox (FOTO: Reprodução)

A atriz de 56 anos está dividida sobre sua decisão de continuar apoiando sua música, no entanto, e admitiu que “não saberia o que dizer” se alguém a questionasse.

Falando com Foy Vance sobre seu podcast e série de vídeos ‘Vinyl Supper‘, ela acrescentou: “Quer dizer, é difícil porque … olhe, ainda tenho a fotografia da luva na minha cozinha. Felizmente, ninguém nunca diz, ‘Essa é a luva de Michael Jackson?’, Porque eu teria que ser tipo ‘… talvez’. Eu não saberia o que dizer. “

VEJA TAMBÉM: Satanás? Youtuber diz que Gusttavo Lima teria feito pacto com o diabo

Leaving Neverland’ foi lançado em 2019 e apresenta alegações de Wade Robson e James Safechuck, que passaram um tempo com Michael Jackson quando eram crianças, e afirmam que ele abusou sexualmente deles.

Wade – que testemunhou sob juramento no julgamento de Michael em 2005 por abuso sexual infantil que o músico nunca abusou dele – afirma que foi molestado pelo Rei do Pop dos sete aos 14 anos.

James – que já testemunhou em nome de Michael quando foi acusado de abuso sexual em 1993 – alegou que foi abusado desde os 10 anos de idade até atingir a puberdade.

O espólio de Michael rebateu as acusações de marcar os acusadores como “perjuros” e “mentirosos admitidos”.

Em seu julgamento por abuso sexual infantil de 2005, Michael foi absolvido por um júri de todas as acusações.