Ex-empresário fala sobre tentativa de suicídio de Axl Rose

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Durante uma aparição no Appetite for Distortion Podcast, o ex-empresário do Guns N ‘Roses, Doug Goldstein, que dirigiu o grupo entre 1991 e 2008, discutiu sua recente aparição no documentário do Reelz Channel “Axl Rose: Guns N’ Roses Frontman”. (via Ultimate-Guitar).

Em um ponto, o entrevistador disse: “Assistir ao documentário e saber o quão próximos você e Axl eram – e, obviamente, seus sentimentos ainda estão lá. Você disse no final, ‘Eu te amo, irmão’, e eu senti isso. outra coisa que eu senti foi quando você estava falando sobre a tentativa de suicídio dele. Não sei se esqueci isso; isso me chocou… Então, enquanto você quer que as coisas saiam por aí sobre o que o bom Axl é, e é o que eu faço neste podcast, falando sobre saúde mental, e às vezes há traumas que explicam ou ajudam a entender por que há um comportamento errático. Como você se sentiu? Quais foram as emoções que passaram ao contar essa história para uma câmera? Sei que há mais para ele, e eu não sei se você quer dizê-lo agora ou guardá-lo para outra hora.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

VEJA MAIS: Sem máscara, Naiara Azevedo, Sorocaba e sertanejos posam aglomerando com Bolsonaro

Doug, então, respondeu:

Você me conhece, sou um livro aberto, não tenho problema nenhum para falar particularmente com os fãs porque sem os fãs não existe banda.

Então quanto a falar sobre a tentativa de suicídio, eu não fiz isso por nenhum motivo a não ser dar uma explicação a respeito do seu estado de espírito durante uma porção enorme, principalmente da era ‘Use Your Illusion’, e para dar forças também – dizer ‘você não está sozinho’.

Há milhares e milhares e milhares de fãs do Guns N’ Roses que enfrentam uma depressão similar. E entender que aqui está um cara que consegue entreter 220.000 pessoas no palco e depois vai para casa ficar sozinho sem ninguém para cuidar dele ou elogiá-lo por suas conquistas…

É uma depressão enorme pela qual o sujeito passa, e não é só ele, acontece com artistas em geral.

Eu tenho explicado isso durante anos – 220.000 pessoas na arena, e você faz isso durante um ano e meio, aí chega em casa e sua esposa diz, ‘O cachorro não irá limpar seu cocô. E eu despedi a faxineira.

Foi mais sobre falar… eu não senti como se estivesse falando sobre qualquer coisa que Axl não tivesse falado, sobre estar deprimido e passar por suas batalhas e questões.

Então eu não senti que estava falando em um momento inoportuno, só queria passar uma compreensão melhor de um pouco da dor pela qual ele estava particularmente passando.

Além de falar sobre Axl, o empresário ainda completou falando sobre sua experiência pessoal com o irmão:

Eu também estava revivendo a minha própria história. O aniversário do meu irmão é um dia antes do acidente de Axl. Ele morreu há 10 anos e tentou cometer suicídio algumas vezes – e eu era muito jovem para fazer qualquer coisa a respeito.

Com Axl Rose, eu não era muito jovem para fazer algo a respeito, e eu consegui intervir de forma efetiva e positiva.”

Suicídio

O suicídio é considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública, complexo, multifacetado e de múltiplas determinações, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero. Todos os anos, cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde).

No Brasil, uma pessoa morre por suicídio a cada hora, enquanto outras três tentaram se matar sem sucesso no mesmo período. O assunto é tão complexo que muitas pessoas evitam falar a respeito, o que nem sempre é a melhor decisão. Um problema dessa magnitude não pode ser negligenciado, pois sabe-se que o suicídio pode ser prevenido. Uma comunicação correta, responsável e ética é uma ferramenta importante para evitar o efeito contágio. Centro de Valorização da Vida Uma das entidades que ajuda pessoas com pensamentos tristes e depressivos é o Centro de Valorização da Vida, o CVV. A organização existe há anos graças ao trabalho voluntário de centenas de pessoas. O atendimento é gratuito e pode ser feito por telefone e internet. O telefone que tem cobertura para todo Brasil é 188.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio