Ex-Rouge, Lu Andrade revela qual legado que o grupo deixou pra ela

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A pandemia da Covid-19 vem promovendo mudanças profundas na forma como artistas e fãs lidam com a arte. Ao Observatório de Música, Lu Andrade, ex-Rouge, falou sobre seu mais recente trabalho, Elo. Com 15 composições, o primeiro EP da cantora ganhou as plataformas digitais e despertou na artista o desejo de fazer mais lives e até de estudar física quântica.

A artista ainda revelou que aprendeu a administrar a carreira após sua saída da extinta banda revelada pelo SBT. Elo já alcançou mais de 200 mil acessos pelas plataformas de músicas e terá no próximo domingo, 14/02, seu primeiro show virtual e mais datas ao longo de fevereiro também no formato online por conta da pandemia da covid-19.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Confira!

Qual é o legado do Rouge em sua vida?

Meus fãs.

Por conta de toda a experiência passou a ter mais domínio sobre sua carreira?

Com certeza. Com o tempo, vem a maturidade.

Para este novo trabalho quais foram as suas inspirações?

Essas músicas foram inspiradas no que vivi nos últimos dois anos e em acontecimentos na vida de pessoas próximas a mim.

Além da carreira como cantora desenvolve alguma outra atividade?

Não, no momento atuo como cantora e compositora.

VEJA MAIS: Site expõe dossiê sobre supostas traições de Nego do Borel; confira!

Por conta da pandemia seu trabalho precisou ser repensado, readequado ao momento? Cite exemplos.

Sim, assim como todos os músicos e a maioria dos profissionais, precisamos migrar para o digital.

O que você consome de música em sua dia a dia? Dicas de cantores, estilos, cursos, séries, documentários…

Tenho ouvido o meu EP, basicamente. Ainda estou degustando e curtindo esse momento. Tenho estudado física quântica. Os últimos filmes/documentários que assisti foram sobre Winston Churchill e Quincy Jones.

Elo passou por mudanças durante sua produção. O que você pode dizer sobre essas adaptações?

Começamos a trabalhar nas composições em 2019, desde então registrei 15 músicas em estúdio e assim consegui definir o caminho de algumas, bem como as que eu gostava mais e as que combinavam melhor juntas. Foi ótimo esse tempo de amadurecimento, pois elas ficaram do jeito que eu queria e trabalhei com as pessoas corretas para que chegassem nesse resultado que me deixou tão feliz e satisfeita.

Como tem sido a repercussão entre os fãs? 

Tenho recebido um feedback muito positivo, fico muito feliz por ter sido tão bem aceito por todos.

Novos projetos: lives, shows, etc.

Quero continuar fazendo lives, pois shows são inviáveis no momento.

Por Leandro Lima

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio