Michael Jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução_

Nesta semana, o documentário Leaving Neverland voltou a ser destaque depois de receber o Emmy 2019 de Melhor Documentário ou Especial de Não-Ficção. A vitória acabou deixando os defensores de Michael Jackson em polvorosa.

Leaving Neverland traz depoimentos de homens adultos que garantem terem sido abusados por Michael Jackson durante sua infância.
O filme, que estreou no Festival de Sundance deste ano, acompanhou principalmente dois casos, o de James Safechuck e Wade Robson. Na época dos supostos abusos, as vítimas tinham entre 7 e 10 anos. No documentário, os homens descreveram abusos explícitos que teriam acontecido por parte de Michael, com detalhes. 

Agora, em declaração ao Metro do Reino Unido, o ex-guarda-costas de Michael Jackson, Matt Fiddes chamou as acusações dirigidas ao cantor de “besteira”. O instrutor de artes marciais explicou sua perspectiva sobre o assunto e ainda fez revelações inéditas sobre o assunto.

Toda essa coisa de pedofilia é uma completa besteira. O cara tinha namoradas e foi casado com a Lisa Marie, era esse o estilo de vida dele. Nós éramos as pessoas que colocávamos garotas no quarto dele, contou o profissional.

Fiddes, hoje empresário e proprietário de uma rede de academias, ainda lembrou que Michael Jackson quase nunca estava no rancho Neverland. Os acusadores costumam usar o local em quase todas descrições dos supostos crimes.

Ele nunca estava lá, ele precisava ficar em Los Angeles para administrar seus negócios. O rancho fica a quatro horas da cidade e ele odiava dirigir. Dizem que havia meninos por lá, mas isso não acontecia”, assegurou o empresário.

Michael Jackson faleceu ainda em 2009, aos 50 anos. Atualmente, a luta da família do astro é contra o documentário Deixando Neverland.

Vale lembrar que em resposta ao polêmico filme, um novo documentário, intitulado de Chase The Truth acabou sendo produzido pelos familiares do cantor e mostrando um olhar minucioso sobre as acusações feitas contra Michael Jackson. 

Em abril, uma entrevista gravada ainda em 1996 voltou à tona na mídia e revelava um depoimento da própria La Toya Jackson, irmã de Michael, que reafirmava a postura predatória do cantor perante às crianças.