Fã de Pabllo Vittar conversa com representantes do Grammy sobre diversidade

Publicado em 6/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os fãs de Pabllo Vittar ficaram indignados com o fato do disco “Não Para Não”, de 2018, não ter sido notado pelo Grammy Latino. Com isso, Renan Ribeiro, um VittarLover decidiu mandar um e-mail para Harvey Jay Mason, presidente interino da Academia Nacional de Artes e Ciências de Gravação, organizadora do Grammy Award, para falar sobre diversidade por entre as categorias brasileiras da premiação e bom, o que ele não esperava é que seria respondido. As informações são do POPline.

No Twitter, o rapaz compartilhou a história numa thread maravilhosa, comprovando tudo com prints, fotos e tudo mais. No texto, ele explicou ao presidente que artistas de grande sucesso no Brasil como Pabllo e IZA, citadas por ele, não estão recebendo a devida atenção da Academia – tendo em vista a importância de ambas na arte e para as comunidades LGBTQIA+ e negra, respectivamente.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Minha inciativa foi porque percebi que quando sai indicações de ambas as premiações, é algo bem comentado pelo público em geral. Temos Dua Lipa, Harry Styles, Billie Eilish no Grammy. E J Balvin, Rosalia e Karol G no Grammy Latino. Pessoas com base de fãs enormes. Mas não vejo essa animação do público brasileiro. As categorias em português não representam o atual cenário musical brasileiro. Tem categorias com artistas que não são conhecidos do público”, disse Renan, em papo com o POPline.

A partir do e-mail para Harvey Jay Mason, o VittarLover foi encaminhado para um bate-papo com Manuel Abud, CEO da Academia Latina da Gravação. O empresário entrou em contato para falar sobre o tema e saber mais do mercado brasileiro. A partir daí, os dois iniciaram uma chamada de vídeo. O interesse de Renan chamou atenção da Academia e ele foi encaminhado para mais uma conversa. Desta vez, com Marcelo Castello Branco, vice-presidente do comitê de nominação.

Segundo as informações de Renan, a conversa rendeu bastante com questionamentos sobre o porque de músicas muito executadas nas plataformas de streaming, por exemplo, estarem fora das indicações. “Falei por um hora com Marcelo“, entregou o rapaz.

“Falamos sobre muitas coisas, sobre a Academia, falei que parece que os votantes brasileiros acham que muitos gêneros são inferiores ao Grammy e que as músicas indicadas são superiores ao que o povo brasileiro realmente escuta. Parece que só música ‘intelectuais’ são indicadas”, desabafou no Twitter.

No desabafo, Renan ressaltou a falta de diversidade na cerimônia. Questão que, vira e mexe, se torna o “calcanhar de Aquiles” do Grammy Awards. E não precisa ir muito longe: “A falta de diversidade de pessoas da Academia brasileira e a importância de pessoa negras, LGBTs, mulheres e jovens…“, ressaltou.

“Ele me explicou muita coisa sobre os bastidores do Grammy Latino e eles já tentam tornar a premiação mais inclusiva para Brasil, mas o Grammy é um organização muito séria é burocrática. Mudanças podem levar de um à dois anos. Mesmo que essa conversa mude 1%, já foi um começo”, comemora.

VEJA TAMBÉM: Herdeira da mansão de Freddie Mercury trabalhou como vendedora em loja de roupas

Pabllo Vittar revela que família fazia parte do MST: “Minha mãe me levava”

Neste sábado (26), a cantora Pabllo Vittar participou do ‘Visitando o Passado’, quadro do Caldeirão do Huck. O programa foi de extrema emoção, e claro, muita performance.

Mas, o que chamou atenção da web, foi o fato da mãe da cantora revelar que eles faziam parte do MST (Movimento dos Sem Terra). “Surgiu uma invasão, nós fomos para essa invasão.”, disse a mãe da drag queen.

Foi então que Pabllo Vittar revelou que a mãe levava ela e as irmãs para o Movimento Sem Terra. Além disso, as três filhas de Verônica, ajudaram a cimentar e construir a casa delas. Elas ficaram no assentamento cerca de dois anos.

O MST declara que seus objetivos principais, sintetizados no lema “terra para quem nela trabalha”, são: Lutar pela terra; Lutar pela Reforma Agrária; Lutar por mudanças sociais no país. A revelação da cantora, é claro, gerou grande repercussão no Twitter.

Além disso, a cantora fez sua primeira performance de ‘Triste com T’. Obviamente, foi uma versão mais tranquila, sem a palavra tesão.

Confira a participação completa de Pabllo Vittar e família participando do quadro “Visitando o Passado” clicando aqui.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio