Família de Chris Cornell encerra ação contra médico que lhe receitou drogas antes da morte

O processo foi apresentado pela primeira vez em 2018 pela viúva do cantor

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A família de Chris Cornell abriu um processo com o Dr. Robert Koblin, o homem que supostamente prescreveu medicamentos ansiolíticos para o cantor meses antes de seu suicídio.

Como demandantes no processo de 2018, a viúva de Cornell, Vicky, e seus filhos Toni e Christopher acusaram o médico de “negligentemente e repetidamente” fornecer ao vocalista do Soundgarden, “perigosas substâncias controladas que alteram a mente”, especialmente Lorazepam (também conhecido como Ativan), mas também pelo menos um pouco de oxicodona. O processo afirma que isso “prejudicou a cognição do Sr. Cornell, turvou seu julgamento e o levou a se envolver em comportamentos impulsivos perigosos que ele era incapaz de controlar, custando-lhe a vida”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os termos do acordo foram selados a pedido dos reclamantes. Os documentos judiciais examinados pela Rolling Stone  explicaram o motivo: “Nos últimos anos, trolls online e outros indivíduos instáveis ​​assediaram os Requerentes, inclusive ameaçando a vida e a segurança [dos filhos dos Cornell]. Recentemente, nas últimas semanas, os Requerentes receberam ameaças de morte online. Além disso, o aumento da atenção a este caso levou a outras invasões da privacidade dos Requerentes.”

VEJA MAIS: Conheça o luxuoso e milionário apartamento onde mora o BTS

Sabemos que a ação se concentrou no período entre setembro de 2015 e a morte de Cornell em maio de 2017. Durante esse tempo, Koblin teria prescrito a Chris Cornell mais de 940 doses do ansiolítico Lorazepam, também conhecido como Ativan.

É difícil julgar o número de doses sem saber a dosagem do miligrama, mas o relatório da autópsia fez questão de observar que, “o uso não monitorado de tais quantidades excessivas de lorazepam, é conhecido por aumentar o risco de suicídio porque pode prejudicar gravemente o julgamento, controle de pensamento e impulso e diminui a capacidade de um paciente de pensar e agir racionalmente.” Ainda assim, embora Cornell tivesse sete drogas diferentes em seu sistema no momento do suicídio, a autópsia acabou determinando que “as drogas não contribuíram para a causa da morte”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio