Fãs de Michael Jackson pedem investigação contra jornalista que enganou Princesa Diana

Publicado em 5/22/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os fãs de Michael Jackson pediram uma investigação sobre sua polêmica entrevista com Martin Bashir, após o relato condenatório de Lord Dyson, sobre o furo da Princesa Diana.

Os fãs do Rei do Pop exigiram que a ITV investigasse o documentário de 2003, Living With Michael Jackson, que viu o cantor permitir o acesso sem precedentes às câmeras em seu rancho, em Neverland.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

As ligações vieram poucos dias depois de um relatório bombástico, quando descobriram que o jornalista usou ‘comportamento enganoso’, e encomendou extratos bancários falsos para garantir sua entrevista no Panorama, de 1995, com a princesa Diana.

Durante seu Especial Tonight de 2003, Bashir confrontou o falecido astro pop sobre seu relacionamento com crianças e as acusações de abuso infantil feitas contra ele.

(Foto: Reprodução)

VEJA MAIS: Crime? SBT exibe música vazada de Anitta antes do lançamento

(Foto: Reprodução)

Em um segmento específico, o cantor defendeu dormir ao lado de Gavin Arvizo, então com 13 anos, um paciente com câncer que estava hospedado em seu rancho, dizendo a Bashir: “Por que você não pode dividir sua cama? É a coisa mais amorosa a fazer, compartilhar sua cama com alguém.”

Quando pressionado ainda mais por Bashir, Jackson continuou a recusar qualquer sugestão de que era impróprio compartilhar sua cama com crianças, alegando que era um ato puro e completamente inocente. 

No entanto, apenas dois anos depois, Jackson enfrentou acusações de ter abusado sexualmente de Arvizo.

Arvizo, que sofria de câncer renal quando conheceu o cantor, disse aos policiais que o abuso ocorreu em fevereiro e março de 2003. Após um julgamento em 2005, realizado em Santa Maria, Califórnia, o cantor americano foi absolvido por um júri. No entanto, os rumores contra Jackson continuaram mesmo após sua morte em 2009. 

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Aos olhos da lei, Michael Jackson morreu inocente, mas em 2019 novas alegações surgiram quando James Safechuck e Wade Robson se apresentaram no polêmico documentário Leaving Neverland. 

Agora, na esteira do relatório de Lord Dyson, o famoso médium Uri Geller, que apresentou o músico a Bashir, disse que tinha “grandes arrependimentos” por apresentar seu amigo ao jornalista do Panorama.

Ele disse à iNews: “Minha reação imediata é que não estou surpreso, um jornalista ético não deveria ir por aí. Conheci Martin Bashir e me senti mal. Eu tenho grandes arrependimentos. Se eu soubesse então das controvérsias que estão assolando em torno de Martin Bashir e da BBC, nunca teria apresentado Michael a Martin Bashir.”

As ligações vieram depois que o inquérito de lorde Dyson de seis meses descobriu que documentos falsos “enganaram e induziram” o conde Spencer a ajudar Bashir “a marcar um encontro com a princesa Diana”. 

Suas mentiras renderam ao repórter do Panorama a entrevista do século e vários prêmios – mas apressaram o fim do casamento da princesa Diana com o príncipe Charles e a privaram de seu status de Sua Alteza Real apenas dois anos antes de sua morte. 

(Foto: Reprodução)

Após o relatório contundente, a BBC fez um ‘pedido de desculpas total e incondicional’ pela conduta de Bashir e o encobrimento subsequente agora totalmente exposto 25 anos depois. O diretor-geral Tim Davie escreveu à família real para se desculpar e também está devolvendo todos os prêmios que a entrevista explosiva conquistou, incluindo um gongo Bafta TV ganho em 1996. 

Em seu relatório, o juiz Lord Dyson disse: “O Sr. Bashir enganou e induziu-o [Earl Spencer] a marcar um encontro com a Princesa Diana. Ao obter acesso à princesa Diana dessa forma, o Sr. Bashir conseguiu persuadi-la a concordar em dar a entrevista. Esse comportamento violava gravemente a edição de 1993 das Diretrizes do Produtor da BBC sobre negociação direta.”‘

A investigação subsequente de Lord Hall em 1996 sobre as alegações de que Diana foi enganada por Bashir foi “lamentavelmente ineficaz”, disse o juiz, especialmente porque a investigação “não examinou” Bashir, apesar de saber que ele mentiu três vezes ao mostrar os extratos bancários falsos ao conde Spencer.

“Lord Hall não poderia razoavelmente ter concluído, como fez, que o Sr. Bashir era um homem honesto e honrado”, disse o relatório. A BBC ‘sem justificativa’ ‘encobriu’ os truques de Bashir e ‘portanto, ficou aquém dos altos padrões de integridade e transparência que são sua marca registrada’, disse Lord Dyson. 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio