bts
Os rapazes do grupo BTS (FOTO: Reprodução)

O grupo BTS estreou na indústria do K-pop em 2013 com poucos holofotes. Porém em 2015, eles tinham conseguido subir ao topo das paradas musicais na Coréia do Sul. Alguns anos depois, inclusive, o grupo já estava bem encaminhado para alcançar as primeiras posições das paradas musicais internacionais.

Entretanto, apesar do fato de o BTS ser agora famoso em todo o mundo, muitos fãs acreditam que eles nem sempre são tratados como um artista de seu status. Recentemente, os fãs da BTS também descobriram outro tratamento “injusto” que o grupo recebe.

Em agosto de 2019, a MTV se viu com problemas após ter estreado a categoria K-pop no Video Music Awards anual e anunciado o BTS como um dos indicados. Os fãs do BTS acharam a jogada ofensiva porque a viram como uma forma de deixar de lado o BTS em vez de permitir que fossem indicados em categorias muito maiores como “Artista do Ano” ou “Vídeo do Ano”.

LEIA TAMBÉM: Grávida, Nicki Minaj faz ensaio sensual inspirado na Virgem Maria

Os fãs também ressaltaram que o BTS já superou artistas como Ariana Grande, Taylor Swift e os Jonas Brothers quando se trata de vendas de álbuns e streams, o que significa que eles deveriam ter recebido indicações em grandes categorias como qualquer outro artista popular.

Este incidente foi apenas um em uma longa lista de reclamações que os fãs têm feito sobre como o BTS às vezes não é considerada no mesmo nível dos artistas que cantam em inglês ou artistas originários de países ocidentais.

Em meados de julho, a Nielsen Music lançou um relatório semestral para destacar as vendas e o consumo de música na primeira metade de 2020. No relatório, os fãs indicaram que o recente lançamento do BTS, Map of the Soul: 7, não chegou à lista dos “Cinco Melhores Álbuns” da Nielsen, apesar de ter superado discos de outros artistas, como dos astros norte-americanos Justin Bieber, Billie Eilish, e Lady Gaga.

O jornalista Brian Patrick Byrne supostamente procurou a Nielsen para um esclarecimento e recebeu a resposta de que a categorização diferenciada acontecia porque o BTS havia sido classificado de forma diferente.

“Quando perguntei à Nielsen sobre esta discrepância, eles me disseram: ‘Usamos o gênero de essência e o gênero essencial da BTS é ‘Mundo’. Enquanto o BTS é elegível para a categoria Pop, o gênero Core mantém os gêneros únicos”, escreveu Byrne no Twitter.

Byrne também apontou que, ao contrário de outros artistas não-americanos como Justin Bieber e Harry Styles, o BTS foi classificado como “World” porque eles não cantam em inglês. Além disso, de acordo com Byrne, Nielsen comparou o BTS aos artistas pop latinos, observando que estes últimos estariam na categoria “Latin” ao invés de “Pop”.

Entretanto, muitos fãs foram para as redes sociais para reclamar desta ação da Nielsen chamando-a de “injusta” e “problemática”.

Uma pessoa escreveu no Reddit: “O termo ‘world music’ é tão fora de moda. É realmente desrespeitoso para qualquer um dos músicos classificados sob aquele selo, como se fossem tão vistos como outros que não merecem nenhuma consideração além do fato de que foi feito por pessoas que não são brancas (ou como este cara coloca “de língua inglesa”). Se eles realmente tivessem que ter uma categoria de música mundial, o mínimo que poderiam fazer é fingir que não é racista agrupando todos os artistas não-americanos naquela categoria”.

“Isto é tão problemático e injusto”, disse outro fã. “Os elementos musicais transcendem a linguagem na qual as canções são cantadas. Todos os elementos de suas canções fazem parte do gênero pop, e a única diferença é a linguagem, tornando esta flagrante discriminação em minha opinião”.

Embora muitos fãs estejam compreensivelmente aborrecidos com o fato de o BTS ser considerado rotulado de forma diferente dos outros artistas, alguns apontaram que existe outra explicação lógica para isto.

Blackpink, outro fenômeno do K-Pop com música lançada nos EUA, está sob a categoria “Pop”, conforme listado pela Associação da Indústria Fonográfica da América (RIAA). Os fãs acreditam que isto se deve ao fato de o Blackpink ter assinado com uma gravadora americana – neste caso, a Interscope Records – onde o BTS só tem um acordo de distribuição de música através da Columbia Records.

Naturalmente, Nielsen e RIAA são duas entidades diferentes com formas possivelmente distintas de categorizar os artistas. A recapitulação de vendas do meio ano feita pela Nielsen também inclui apenas os artistas mais vendidos, portanto não está claro se o Blackpink teria sido considerado “Pop” ou “World” pela Nielsen se seus números fossem suficientemente altos para serem incluídos no relatório de meio ano.