Festa com Gusttavo Lima e Ludmilla teria sido dada por criminoso

Publicado em 9/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No dia 14 de maio deste ano, Gusttavo Lima, Mumuzinho, Ludmilla, Dudu Nobre e Alexandre Pires geraram polêmica nas redes ao cantarem no Copacabana Palace, para mais de 500 pessoas. Pois bem, agora, de acordo com o G1 a polícia descobriu que o contratante é Adilson Oliveira Coutinho Filho, o Adilsinho, que seria um foragido. As informações são do G1.

Adilsinho e o irmão, Cláudio Coutinho, são considerados foragidos. O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) afirma que os dois chefiam uma quadrilha que impôs, com violência, um monopólio na venda de cigarros no RJ.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A 1ª Vara Especializada de Crime Organizado, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, decidiu que os cantores têm 20 dias para explicar a participação na festa. Agora, Gusttavo Lima, Mumuzinho, Ludmilla, Dudu Nobre e Alexandre Pires devem detalhar os valores do contrato, com quem o negociaram e quanto receberam.

Em nota, a assessoria de Gusttavo disse: “Até o momento, não fomos notificados judicialmente sobre o caso que está repercutindo na mídia na data de hoje (24/06). Informamos que o cantor Gusttavo Lima foi contratado para uma apresentação no evento ocorrido no dia 14/05. O show foi realizado segundo às cláusulas estabelecidas no contrato de apresentação artística”.

VEJA MAIS: Luísa Sonza acusa YouTube de boicotar novo clipe por ‘conteúdo explícito’

Na época, o Copacabana Palace foi multado em R$ 15.466,81 por infração considerada “gravíssima”, e ainda interditado para realização de festas pelo período de 10 dias.

“Foi constatada aglomeração generalizada em frente a apresentação musical, caracterizando pista de dança. Os convidados não usavam máscara facial e não respeitavam o distanciamento mínimo de 1,5 m entre os participantes. Na entrada do estabelecimento, as imagens também evidenciaram aglomeração em fila de espera e acesso desordenado ao local”, afirmou a Seop na ocasião, em nota.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio