Filha de Kurt Cobain ironiza acusações feitas pelo “bebê de Nevermind”

Publicado em 30/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O processo do “bebê de Nevermind” contra o Nirvana continua sendo assunto, ganhando até mesmo um pronunciamento de Frances Bean, filha de Kurt Cobain. Uma página que publica em nome da herdeira do vocalista, não deixou passar batido e disparou severas críticas a Spencer Elden – o acusador.

(FOTO: Reprodução)

Para quem não sabe, ele acusa a banda de “pornografia infantil” e cita até “trabalho sexual” por ter sido fotografado para a capa do icônico Nevermind. Na publicação, a págin, que é oficial mas pode ou não ser realmente da jovem, pois ela é sempre misteriosa com as redes sociais — ironizou o fato de que Elden recriou a imagem diversas vezes e agora está fazendo as acusações contra a banda: “Quando estar na capa do álbum do Nirvana te traumatizou tanto como criança que você recriou a cena múltiplas vezes antes de decidir finalmente processar a banda. Complicado, né? Vale lembrar que, recentemente, alguns advogados especializados em casos do tipo classificaram o processo de Elden como “ofensivo e frívolo”, diz a postagem, acusando o rapaz de usar um assunto tão sensível para benefício próprio.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

When being on the cover of Nirvana's album traumatized you so much as a child that you recreated the scene multiple times before deciding to finally sue the band.

Posted by Frances Bean Cobain on Saturday, August 28, 2021

VEJA MAIS: Evan Rachel Wood reage após participação de Marilyn Manson em evento de Kanye West

Até mesmo especialistas juridicos não legitimizam a acusação do jovem, portanto, o processo pode nem ser levado a julgamento.

Aos 30, bebê que posou para capa do Nirvana decide processar a banda

O norte-americano Spencer Elden não foi uma criança qualquer. Há 30 anos, quando tinha apenas quatro meses e sem estar consciente disso, estrelou uma das capas mais famosas da história da música: Nevermind, o álbum que catapultou o Nirvana. Pois bem, agora, ele decidiu processar a banda, incluindo Dave Grohl, Krist Novoselic e até Courtney Love (responsável pelo espólio de Kurt Cobain), alegando “exploração sexual infantil”.

Elden alega que sofreu “danos ao longo da vida” e diz que seus tutores legais nunca assinaram um documento com direitos de imagem e nunca foram pagos. Elden também alega que houve “distribuição de materiais privados sexualmente explícitos, negligência e o que é descrito como um empreendimento de tráfico sexual“, onde ele teria sido “forçado a se envolver em atos sexuais comerciais enquanto tinha menos de 18 anos“.

(Foto: Reprodução)

O dano permanente que ele quase sofreu inclui, mas não está limitado a, sofrimento emocional extremo e permanente com manifestações físicas, interferência em seu desenvolvimento normal e progresso educacional, perda vitalícia de capacidade de ganho de renda, perda de salários passados ​​e futuros, despesas passadas e futuras para tratamento médico e psicológico, perda do gozo da vida, e demais prejuízos a serem descritos e comprovados no julgamento da matéria“, diz a ação.

De acordo com a Pitchfork, Spencer Elden está pedindo uma indenização de 150 mil dólares (cerca de 787 mil reais) de cada uma das partes.

Rapaz revela quanto recebeu

O norte-americano Spencer Elden não foi uma criança qualquer. Há 30 anos, quando tinha apenas quatro meses e sem estar consciente disso, estrelou uma das capas mais famosas da história da música: Nevermind, o álbum que catapultou o Nirvana para a fama e pôs o grunge no radar internacional. As informações são do site El País.

É estranho fazer parte de uma imagem tão icônica culturalmente porque, na verdade, não tive nada a ver com isso. Minha mãe tem uma história maluca. Diz que, quando era jovem, teve uma espécie de visão de que seu bebê estaria em todos os lugares”, contou ele às páginas do The Guardian em 2015.

Levando em consideração que o segundo álbum da extinta banda comandada por Kurt Cobain vendeu mais de 30 milhões de cópias desde seu lançamento, e que a capa foi reproduzida ad nauseam em todos os tipos de produtos de merchandising, seu rosto é tudo menos desconhecido, e ele está, literalmente, em milhões de lares, locais de entretenimento e salas de exposições em todo o mundo. E bom, ele não acha justo não estar rico.

VEJA MAIS: Crime? SBT exibe música vazada de Anitta antes do lançamento

“Todos que participaram do álbum têm toneladas e toneladas de dinheiro. Eu me sinto como se fosse o último do grunge. Moro na casa da minha mãe e dirijo um Honda Civic. É difícil não ficar bravo quando você sabe da quantidade de dinheiro que estava em jogo”, afirmou.

Em outra entrevista, ao The Guardian, em 2015, o rapaz comentou que o cachê que seus pais receberam pelo trabalho foi de 200 dólares. “Meus pais sabiam quem era o Nirvana, mas não estavam muito interessados na cena grunge. Meu pai, Rick [que trabalhava em Hollywood como artista de efeitos especiais], na época cursava uma escola de arte e seus amigos sempre lhe pediam ajuda em seus projetos. Foi assim que seu amigo Kirk lhe disse: ‘você quer ganhar algum dinheiro hoje e jogar seu filho na piscina?’. Meus pais me levaram lá, parece que sopraram na minha cara para estimular meu reflexo de imersão [que faz o bebê fechar a glote na água], fui colocado na água, tiraram fotos minhas e me tiraram de lá. Isso foi tudo. Receberam US$ 200 (cerca de R$ 1.070) e depois foram comer tacos”, disse.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio