Fiuk e Gil enfrentam ataques homofóbicos após selinho no BBB

A equipe revelou que ele tem: "Recebido muitos ataques"

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A celebração de Fiuk e Gil terem voltado do paredão no BBB agitou as redes sociais. Muitos se divertiram com o mergulho dos brothers, mas alguns também criticaram a atitude deles.

Na madrugada desta segunda-feira (26), os dois pularam nus na piscina e deram um selinho antes disso. Essa ‘brincadeira’ fazia parte de uma promessa entre eles, caso não fossem eliminados.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

(FOTO: Reprodução Quem)

Segundo informações da Quem, que conversou com Beatriz Raddhour, responsável pelas redes sociais do ator. Ela revelou que está tomando medidas judiciais contra os ataques homofóbicos direcionados a Fiuk e Gil.

Segundo o site, uma delas é a vereadora Glória Carrate, que pediu a votação de proibição de casais homoafetivos na publicidade, e citou as cenas protagonizadas pelos dois no reality show.

VEJA MAIS: Site expõe dossiê sobre supostas traições de Nego do Borel; confira!

“O público do Fiuk, os fãs que seguem e apoiam a carreira dele, ama a amizade entre ele e o Gil, e vibrou com o selinho e com toda a comemoração deles. A volta de um paredão é uma vitória dos participantes e também do público que os acompanha. Mas também recebemos muitos ataques, de ontem para hoje, e estamos empenhados em documentar esses ataques”, disse.

“Homofobia é crime, e todos nos assustam muito, mas com certeza o vídeo da vereadora condenando o beijo deles foi o que mais nos assustou. É repugnante que em um ambiente onde a democracia deve ser a pauta principal, uma representante dos interesses do povo use do seu tempo para destilar ódio, e tudo fica mais sombrio se pensamos que estamos em plena pandemia, com a maior parte da população sofrendo por falta de políticas públicas”, continuou.

“Em meio a todo esse contexto, a prioridade da vereadora é demonstrar seus pensamentos homofóbicos”, disse Beatriz.

“Estamos conversando com nossos advogados. Não vamos tolerar a perpetuação desses ataques. Fiuk é um homem hetero, privilegiado, e conta com o respaldo de uma equipe. Pensamos em quem não tem como garantir seus direitos, em quem é LGBTQIA+ e lida com esse ódio todos os dias. Vamos usar nossa voz para repudiar qualquer atitude homofóbica”, ela finalizou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio