beatles
A legendária banda britânica The Beatles (FOTO: Reprodução)

Se você tivesse que apontar as duas figuras mais icônicas da história da música britânica, provavelmente a resposta que você encontraria seria David Bowie e o vocalista dos Beatles, John Lennon. Suas carreiras ajudariam a navegar no mundo da música para novas direções e havia uma forte semelhança entre eles, um fator que os tornou almas gêmeas desde o momento em que Elizabeth Taylor os apresentou um ao outro.

A vida pessoal de Lennon estava em um momento precário na época em que ele conheceu Bowie em 1974, um período em que ele se viu perdido em uma espiral de questões pessoais que acabou levando ao seu afastamento de Yoko Ono. Esse período um tanto sombrio que ele passou tentando travessuras devassas com os espíritos de Harry Nilsson durou cerca de 18 meses e é frequentemente descrito como o ‘Fim de semana perdido’ de Lennon, um período em que a dupla empilhou mais travessuras selvagens em um breve período do que a maioria das pessoas gerenciar em toda a vida. De uma perspectiva criativa, entretanto, Lennon permaneceu prolífico. Enquanto ele continuava a criar novo material, talvez a melhor coisa que ele montou foi com um certo Sr. Bowie.

Poucos meses depois de se conhecerem, os dois artistas entrariam em estúdio juntos e o resultado seria a formação de ‘Fame’, uma música que é indiscutivelmente um dos melhores momentos da estimada carreira de Bowie. Bowie escreveu a música ao lado de Lennon e do ex-guitarrista de James Brown Carlos Alomar como um dedo médio direto para o negócio do rock and roll e, mais notavelmente, os intermediários na Mainman Management – a antiga empresa de gerenciamento de Bowie. Para encerrar, a música chegaria ao topo da Billboard Hot 100 e cairia como uma das melhores de Bowie, destacando que uma forma de chegar ao topo é sempre mirar acima do pico.

Bowie disse a Bill DeMain em uma entrevista de 2003 : “Quando estávamos no estúdio com John Lennon, perguntei a Carlos: ‘Qual era aquele riff que você tinha?’ E foi a partir daí.” Lennon então encontrou o famoso refrão cantando “aim” para o riff de Alomar e as coisas começaram a andar. Bowie aproveitou a chance e mudou a letra para ‘Fame’ e começou rapidamente a construir a infame letra da música.

VEJA TAMBÉM: Mano Brown pede boicote à mercado após homem negro ser espancado até a morte

Anteriormente, em 1999, Bowie estava falando com o Berklee College quando professou seu amor por Lennon e falou sobre a influência que o Beatle de óculos teve sobre ele: “É impossível para mim falar sobre música popular sem mencionar provavelmente meu maior mentor, John Lennon. Acho que ele definiu para mim, de qualquer forma, como alguém poderia torcer e virar o tecido do pop e impregná-lo com elementos de outras formas de arte, muitas vezes produzindo algo extremamente belo, muito poderoso e impregnado de estranheza.

Ele então se lembrou vividamente da noite em que suas estrelas se alinharam: “O que era sedutor em John era seu senso de humor. Surrealisticamente, fomos apresentados pela primeira vez por volta de 1974 por Elizabeth Taylor. Miss Taylor estava tentando me convencer a fazer um filme com ela. Envolveu ir para a Rússia e usar algo vermelho, dourado e diáfano. Não é muito encorajador, realmente. Não consigo me lembrar como era chamado – não era On the Waterfront, de qualquer maneira, eu sei disso.

Estávamos em LA, e uma noite ela deu uma festa para a qual John e eu fomos convidados. Acho que éramos educados um com o outro, daquele jeito meio mais jovem. Embora tenhamos apenas alguns anos entre nós, no rock and roll isso é uma geração, sabe? Oh cara, é sempre. Então John estava meio que [com sotaque de Liverpool] ‘Oh, aí vem outro novo.’ E eu pensei, ‘É John Lennon! Eu não sei o que dizer. Não mencione os Beatles, você parecerá realmente estúpido. ‘E ele disse:’ Olá, Dave. E eu disse: ‘Tenho tudo o que você fez – exceto os Beatles’”.

Houve um brilho nos olhos de Bowie quando ele relembrou essas memórias preciosas que guardou do tempo que passou com Lennon e ele não pôde deixar de compartilhar sua anedota favorita para o público de Berklee: “Perto do final dos anos 70, um grupo Um de nós foi para Hong Kong de férias e John estava meio que no modo de dono da casa e queria mostrar o mundo a Sean. E durante uma de nossas expedições nas ruas secundárias, uma criança vem correndo até ele e diz: ‘Você é John Lennon?’ E ele disse: ‘Não, mas gostaria de ter seu dinheiro.’ Que eu prontamente roubei para mim. [imitando um fã] ‘Você é David Bowie?’ Não, mas gostaria de ter o dinheiro dele.

É brilhante. Foi uma coisa tão maravilhosa de se dizer. O garoto disse: ‘Oh, desculpe. Claro, você não é, ‘e saiu correndo. Pensei: ‘Este é o dispositivo mais eficaz que já ouvi‘”, acrescentou.

Não é surpreendente que Lennon e Bowie tenham se dado assim, especialmente considerando que ambos eram mestres da reinvenção que, apesar de suas diferenças musicais, eram iguais. Sem Elizabeth Taylor, talvez esses dois gigantes da música nunca teriam se cruzado e este momento de portas deslizantes inadvertidamente levaria os dois a criarem ‘Fame’.