Michael Jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução_

A irmã de Jackson, La Toya, chamou a imagem sombria de “comovente“. 
Os jurados também tocaram uma fita assustadora da voz de Jackson, gravada no mês anterior à sua morte, na qual ele arrastou suas palavras, murmurou e parecia estar fortemente sedado. 

A evidência perturbadora foi produzida pelos promotores quando o Dr. Conrad Murray, 58, médico pessoal do cantor, foi a julgamento mais de dois anos após a morte de Jackson.  Murray, que nega a acusação de homicídio involuntário, foi acusado de “negligência grave, abandono médico e incompetência repetida”. 

Os promotores acusaram-no de estar interessado não na saúde de Jackson, mas em um “contrato lucrativo de US $ 150.000 por mês” que ele tinha para cuidar do artista e ajudá-lo a vencer sua insônia.

Conrad Murray foi condenado a quatro anos pela morte de Michael Jackson e teve a pena reduzida para dois anos por boa conduta. Sua licença médica foi suspensa em alguns estados norte-americanos.

Ed Chernoff, o advogado do médico disse mais tarde ao tribunal que Jackson havia causado sua própria morte por auto-administração de propofol, um anestésico destinado apenas para uso em hospitais, e que já havia engolido lorazepam o suficiente equivalente a dosagem que seria para seis pessoas.

Chernoff disse que isso criou uma “tempestade perfeita” no corpo de Jackson que o matou instantaneamente quando ele tomou o propofol depois que o Dr. Murray saiu da sala. O advogado ainda disse que o cantor havia tomado o remédio por estar “frustrado” por Murray não lhe dar os remédios que queria.

Ele morreu tão rapidamente, tão instantaneamente que não teve tempo de fechar os olhos“, disse ele. Mais tarde, foi determinado por um médico legista que Jackson morreu de “intoxicação aguda por propofol“, informou o Tribunal Superior de Los Angeles. 

Nos 80 dias antes da morte de Jackson, em 25 de junho de 2009, o Dr. Murray comprou mais de quatro galões de anestésico, que é uma quantidade “massiva”. O vice-promotor David Walgren mostrou aos jurados a imagem chocante corpo pálido de Jackson, envolto em um lençol branco. Marcado com a palavra “homicídio”. 

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image-8.png

Ele o contrastou com uma fotografia tirada no dia anterior, na qual Jackson de aparência vital foi visto ensaiando. “O que aconteceu durante esse período de tempo é que os atos e omissões do médico pessoal de Michael Jackson levaram diretamente à sua morte prematura aos 50 anos“, disse Walgren.

VEJA TAMBÉM: Anitta dança de biquíni com Gui Araújo e recebe tapinha no bumbum

Michael Jackson literalmente colocou sua vida nas mãos de Conrad Murray. Essa confiança equivocada custou a vida a Michael. Ele morreu sozinho em sua cama.” Mais tarde, Walgren disse: “Ele deixou esse homem vulnerável, o abandonou para se defender. Ele viola não apenas o padrão de atendimento, mas a decência de um ser humano para outro.” 

Walgren disse que os níveis de propofol encontrados no corpo de Jackson eram semelhantes a “quando alguém é submetido a um procedimento cirúrgico“. Ele disse: “Não é um auxiliar ou agente de sono. Não é um agente para o tratamento da insônia. Se você não for conhecedor, competente e preparado, isso levará à morte do seu paciente.” 

O tribunal ouviu uma gravação da voz de Jackson, aparentemente gravada pelo Dr. Murray em seu iPhone em 10 de maio de 2009, na qual ele discutiu sua turnê planejada de retorno, This is It. A promotoria afirmou que mostrou que Jackson estava “fortemente sob a influência” e o Dr. Murray estava ciente disso. Na gravação, Jackson disse: “É hora de ser fenomenal. Quando as pessoas saem do meu show, eu quero que elas digam: ‘Eu nunca vi nada assim, ele é o melhor artista do mundo’. Estou pegando esse dinheiro, um milhão de crianças, o hospital infantil, o maior do mundo. Hospital Infantil de Michael Jackson.” 

Enquanto a gravação era tocada, o Dr. Murray estava sentado a alguns metros da família de Jackson, incluindo seus pais, Joe e Katherine, as irmãs Janet e Latoya, e os irmãos Jermaine e Randy. Ele podia ser visto enxugando as lágrimas enquanto era descrito como amigo de Jackson. Mas a irmã de Jackson, La Toya, que estava no tribunal, disse: “Estou com vontade de gritar: ‘Murray sabe exatamente o que aconteceu e quem mais está por trás de tudo isso. Me dói ver o que eles fizeram com meu irmão. Ver seu corpo sem vida deitado na maca é de cortar o coração.

Kenny Ortega, o co-criador da turnê “This Is It” de Jackson, foi a primeira testemunha. Ele disse ao tribunal que Jackson estava “divagando e obcecado” no ensaio do dia 19 de junho. Ortega, que coreografou o filme Dirty Dancing de 1987, disse: “Meu amigo não estava certo e não estava bem, com algo acontecendo que estava me perturbando profundamente. Ele estava com frio e parecia perdido e um pouco incoerente. Embora estivéssemos conversando, senti que ele não estava bem.

Ortega disse que, em uma reunião no dia seguinte, o Dr. Murray disse a ele para “deixar de ser médico e psicólogo amador” e deixar assuntos médicos para ele. O júri recebeu um vídeo dos ensaios finais de Jackson no palco nos dois dias antes de sua morte. Ele cantou “The Way You Make Me Feel” em 23 de junho e parecia confortável acompanhando dançarinos com 30 anos de idade. Em 24 de junho, ele praticou o canto “Earth Song” e parecia estar se movendo bem. 

Na noite da morte de Jackson, o Dr. Murray estava telefonando para seus amigos e empresas, ouviu o tribunal, em vez de monitorar o cantor depois de administrá-lo com sedativos. Enquanto Jackson ficava sedado, ele enviou um e-mail a uma companhia de seguros perguntando sobre sua condição, dizendo que os relatos de que Jackson estava com problemas de saúde eram “falaciosos”. 

Registros telefônicos também mostraram que, às 11h50 de 25 de junho de 2009, Murray ligou para Sade Anding, uma garçonete do Texas que ele chamava de “namorada”. A senhorita Anding ouviu uma “comoção” e o Dr. Murray parou de responder a ela. Walgren disse que o médico descobriu que seu paciente havia parado de respirar. 

Murray ligou para o assistente de Jackson, Michael Amir Williams, às 12h12, dizendo-lhe para “chegar aqui imediatamente“, porque Jackson teve uma “má reação“. Williams chamou imediatamente o guarda-costas de Jackson, Alberto Alvarez, e disse-lhe para ir ao quarto do cantor. Quando o Sr. Alvarez entrou no quarto, viu Murray tentando ressuscitar Jackson na cama com uma mão. Murray supostamente começou a pegar frascos de remédios e disse a Alvarez para fazer o mesmo.

Walgren disse que foi só então que ele disse ao guarda-costas para ligar para o 911. A ligação foi feita às 12h20. Quando os paramédicos chegaram à casa de Jackson, encontraram o cantor sem pulso e suas pupilas fixas e dilatadas. O cantor foi declarado morto às 14h26. Murray disse mais tarde à polícia que estava monitorando Jackson, mas foi ao banheiro e ficou “atordoado” ao encontrá-lo sem respirar quando voltou. 

Walgren disse que, no momento da morte de Jackson, o Dr. Murray não era certificado em nenhuma especialidade médica. Os dois se conheceram em 2006 em Las Vegas e Jackson pediu que ele participasse da turnê de retorno. Murray pediu inicialmente US $ 5 milhões para ser o médico pessoal de Jackson por um ano, mas se contentou com US $ 150.000 por mês, segundo o tribunal, embora o contrato nunca tenha sido assinado ele deixou seu consultório em Las Vegas para trabalhar para Jackson e começou a encomendar remessas de propofol a um farmacêutico, dizendo que era para uma “grande base de clientes”. 

Em 80 dias, ele pediu 155.000 mg de propofol. Mais tarde, ele alegou ter dado a Jackson apenas 25mg no dia em que morreu. Murray passava seis noites por semana na casa de Michael dando-lhe remédios para ajudá-lo a dormir, disse Walgren.