Funkeira famosa acusa DJ Marlboro de estupro: “Ele destruiu meus sonhos”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A funkeira MC Ellu registrou um boletim de ocorrência contra o DJ Marlboro, a quem acusa de estupro e ameaças. Ela afirma que o crime aconteceu em 1988, quando ela apenas tinha 17 anos. As informações são da Mariana Gonzalez do Universa.

A cantora ainda afirma que outras três mulheres a procuraram com relatos semelhantes o músico. As acusações vão de assédio sexual a menores de idade, até abuso e estupro.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

MC Ellu (FOTO: Reprodução)

VEJA MAIS: Empresário se arrepende de festa na casa de Elba Ramalho: “Pedi desculpas”

Em entrevista para Universa, MC Ellu revela que na época do acontecido deixou o Rio de Janeiro por medo. O trauma acarretou anos de tratamento psicológico, uso de antidepressivos e uma tentativa de suicídio. Há 33 anos, Ellu estava no início da carreira e se apresentava como sósia da cantora Janet Jackson quando fez um show no Clube Mourisco, no Rio de Janeiro. Depois da apresentação, ela conta que conheceu Marlboro, que lhe ofereceu uma carona. “Ele disse que ia me levar para casa, só que foi para um motel. Chegando lá, eu falei: ‘Marlboro, eu sou virgem’. E ele: ‘Não vai acontecer nada que você não queira’. Só que aconteceu sim, ele forçou uma barra e houve o ato”, disse.

Esse foi um peso que eu carreguei por muitos anos. Tinha vergonha de contar para as pessoas o que tinha acontecido comigo. Quando meu filho cresceu [o menino nasceu de uma outra relação, quando Ellu tinha 24 anos], eu contei e ele só me deu apoio, me deu forças para buscar justiça. Liguei para o Marlboro, queria colocar uma pedra nessa história, aquilo estava me fazendo mal, e ele disse que não lembrava de nada.”

Sempre fiz tratamento psicológico por conta da violência que sofri. É um trauma passar por um estupro. Agora falei: ‘Chega, preciso contar essa história para que as meninas de hoje não caiam na conversa’. Eu não me vendi. Primeiro ele me estuprou; depois, na hora de ir embora, quando eu comecei a chorar no carro, ele prometeu que ia me colocar em projetos da gravadora Polygram, para amenizar a situação, para me fazer ficar calada. Na época, falou: ‘Não conta para ninguém, vai dar ruim para você’. Por medo, decidi ir morar com a minha avó em Belo Horizonte. Deus foi tão bom que eu consegui a duras penas gravar CD e DVD sem depender dele, nem de homem nenhum. Eu mesma fecho meus trabalhos.”

Quero que ele pague pelo crime. Ele está tentando me desqualificar, dizendo que só estou fazendo isso para me promover. Você acha que isso vai me promover? Uma mulher negra, mãe solteira, contando que foi estuprada aos 17 anos. Ele destruiu meus sonhos.”

Para ler a matéria completa, clique aqui.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio