geraldo azevedo
O músico Geraldo Azevedo (FOTO: Divulgação)

O consagrado músico Geraldo Azevedo está com novidades na carreira! A figura marcante deste intérprete, sozinho no palco, vestido como um verdadeiro trovador moderno, empunhando seu companheiro de batalha (o violão), tocando e encantando, nos remete a um lugar no qual a areia da ampulheta não cai, o relógio deixa de marcar as horas e o calendário não faz mais sentido. É um daqueles momentos em que você pede licença e viaja em direção ao coração – algo que poucos artistas conseguem fazer.

Batizado de “Solo Contigo” (Deck), o projeto reapresenta alguns dos momentos mais marcantes de Geraldo Azevedo, reproduzidos em voz e violão, a principal marca na criação de sua música nestes incríveis 52 anos de carreira. Curiosamente, este é o primeiro registro do músico produzido em vídeo, com foco neste tipo de show que o músico reproduz há décadas.

“A realização deste projeto é algo que faltava à minha obra”, admitiu Geraldo. E não é de hoje que produtores, músicos, cantores e compositores afirmam que a melhor forma de você compreender e sentir a essência de uma canção é ouvi-la em seu estágio básico, na voz e no violão somente.

VEJA TAMBÉM: Darfiny, cantora queridinha de Rick Bonadio, lança single eletrônico

Ao longo do registro feito, ao vivo, o músico vai desfilando clássicos lançados em álbuns que definiram seu perfil artístico: ali estão “Inclinações Musicais”, “Canta Coração”, “Dia Branco” e “Moça Bonita”, do LP de 1981 “Inclinações Musicais”; “O Princípio do Prazer”, “Chorando e Cantando” e “Dona da Minha Cabeça”, faixa do seu primeiro trabalho independente, produzido com recursos próprios, “De Outra Maneira”, lançado em 1986.

Brilham ainda neste repertório, dentre outras canções essenciais de sua obra, a belíssima parceria com Alceu Valença, “Caravana”, lançada na trilha sonora da novela “Gabriela”, em 1975, além de “O Charme das Canções”, gravada em 1984 no LP “Tempo Tempero”, feita com Capinan; “Letras Negras”, do disco “Berekekê” (1991), outra parceria com Fausto Nilo; “Bicho de 7 Cabeças II” (Geraldo Azevedo, Zé Ramalho e Renato Rocha) e, claro, “Táxi Lunar” (Geraldo Azevedo, Zé Ramalho e Alceu Valença), ambas do antológico álbum de 1979, “Bicho de Sete Cabeças”.

Com um baú de valiosas relíquias musicais não poderiam faltar canções inéditas: o ator e compositor Mário Lago teve sua poesia “O Amor Antigramático” musicada por Geraldo. “A Saudade Me Traz”, de autoria do companheiro de trabalho Sergio Peres, também foi selecionada para o espetáculo. Completam ainda o time de novidades “Pensar em Você”, de Chico César; “Veja (Margarida)”, de Vital Farias; e “Estácio, Eu e Você”, faixa que abre “Pérola Negra”, o clássico álbum de 1973, numa emocionada homenagem que Geraldo Azevedo presta à Luiz Melodia.

VEJA TAMBÉM: Conheça a banda Costume Blues que mistura baião nordestino e blues

Neste mar de canções não poderiam faltar inéditas: o ator e compositor Mário Lago teve sua poesia “O Amor Antigramático” musicada por Geraldo. “A Saudade Me Traz”, de autoria do companheiro de trabalho Sergio Peres, também foi selecionada para o espetáculo. Completam ainda o time de novidades “Pensar em Você”, de Chico César; “Veja (Margarida)”, de Vital Farias; e “Estácio, Eu e Você”, faixa que abre “Pérola Negra”, o clássico álbum de 1973, numa emocionada homenagem que Geraldo Azevedo presta à Luiz Melodia.

Porém, tão importante quanto todo este repertório, é a presença deste músico, nascido às margens do majestoso Rio São Francisco, num enorme palco carioca. O músico se apresenta como se estivesse nos recebendo na sala de sua casa, com toda a hospitalidade típica de um nordestino, onde sempre canta para amigas e amigos. E aqui cabe a pergunta: o palco é a sua casa? Ou a casa é seu palco?

VEJA TAMBÉM: Em homenagem a Luiz Melodia, IZA e Liniker apresentam “Negro Gato”

“Solo Contigo” segue os lançamentos de outros trabalhos de sua discografia: os CDs “A Luz do Solo” (1985) e “Ao Vivo Comigo” (1994). A produção musical e gravação de áudio ficaram por conta de outro grande parceiro de longa data: o guitarrista e produtor Robertinho de Recife. A direção de fotografia e geral deste DVD, realizada com muita sensibilidade, é de Bernardo Mendonça.