Filme de sucesso sobre a vida de Freddie Mercury pode ganhar sequência

Dessa vez, Brian May está de fato reconsiderando um segundo filme.

Publicado em 9/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Bohemian Rhapsody”, filme lançado em 2018 que retratou a vida pré-fama e o auge na carreira do cantor Freddie Mercury e da trajetória do Queen pode ganhar sequência. Brian May, o guitarrista da banda ao ser perguntando por um fã, revelou que está estudando essa possibilidade soltou a informação em uma live no Instagram.

(FOTO: Reprodução)

Segundo o NME, ele disse: “Será difícil algo na sequência do filme já que nenhum de nós prevíamos o quão grande ele seria.” Continuou, “Colocamos nosso coração e alma na criação do filme e ninguém poderia imaginar que ele seria um sucesso tão grande quanto ‘…E o Vento Levou’, mas sim estamos pensando na possibilidade disso acontecer se tivermos um ótimo roteiro. Vai demorar um tempo até entendermos isso”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

CONFIRA TAMBÉM: Colaboração entre Dua Lipa e Elton John pode ser lançada semana que vem

Ainda em 2019, as especulações para um segundo filme já haviam começado, quando Rudi Dolezal, diretor de clipes do Queen, disse que naquela época já estavam conversando internamente sobre um novo longa. “Tenho certeza que ele [Jim Beach, empresário da banda] estão conversando sobre uma sequência que começa com o Live Aid”, soltou ao Page Six.

Queen e Beatles são as bandas mais influentes do Reino Unido

Durante o século 20, o Reino Unido produziu alguns dos músicos mais populares e impactantes do mundo. E agora uma nova pesquisa encontrou as 10 bandas britânicas mais influentes e artistas solo com base em quantas faixas são sampleadas, cobertas e remixadas em canções lançadas comercialmente. Não deveria ser nenhuma surpresa que os Beatles, os músicos de maior sucesso do mundo de todos os tempos, tenham ficado no topo por um longo tempo. Logo atrás está Queen, com seu incrível líder Freddie Mercury.

De acordo com a análise do 888, a música dos Beatles foi usada incríveis 11.289 vezes em remixes, covers e samples. As canções mais influentes do Fab Four no ranking foram Yesterday, Something e I Saw Her Standing There. Enquanto Queen, de Freddie Mercury ficou em segundo lugar, em 1323.

Aqui estão as 10 bandas e artistas solo mais influentes no Reino Unido e o número de vezes que eles influenciaram outras músicas:

1. The Beatles – 11289
2. Queen – 1323
3. Depeche Mode – 1261
4. The Rolling Stones – 1193
5. Bee Gees – 1135
6. David Bowie – 1134
7. Led Zeppelin – 1024
8. Fleetwood Mac – 935
9. Black Sabbath – 838
10. Elton John – 829

Mesmo assim, Queen superou os Beatles em uma votação de 2021 no Reino Unido com músicos para ouvir enquanto dirige. Os especialistas em compra de carros da Perrys entrevistaram 1.500 adultos britânicos para descobrir como a escolha da música desempenha um bom papel em viagens longas.

Aqui estão os 10 melhores músicos do Reino Unido para ouvir enquanto dirige, nos quais os Beatles foram bem mais baixos do que alguns poderiam esperar.

1. Queen – 4,7%
2. Ed Sheeran – 2,7%
3. ABBA – 2,5%
4. Little Mix – 2%
5. Coldplay – 1,7%
6. The Beatles – 1,7%
7. Oasis – 1,6%
8. The Eagles – 1,6%
9. Fleetwood Mac – 1,5%
10. AC / DC – 1,5%

A triste história por trás do último clipe gravado por Freddie Mercury

Em 30 de maio de 1991, 6 meses antes de morrer, Freddie Mercury gravou seu último clipe com seus companheiros do Queen. Era a música “These Are The Days Of Our Lives” e a história da música e dos bastidores foi muito emocionante e triste. O cantor não tinha forças.

Mercury é um dos mais perfeitos artistas que já passou por essa Terra e, além do fato de que novembro deste ano marcará 30 anos desde a morte do líder britânico do Queen ; seu trabalho perdura e durará por toda a eternidade.

VEJA MAIS: RICA! Luísa Sonza revela que novo clipe custou R$ 1 milhão

Extrovertido, desafiador e sempre rebelde; os shows do Queen sempre deram o que falar. Pela atitude com que Freddie e seus companheiro em frente a multidão, pela versatilidade no palco e, porque não, por alguns inconvenientes que surgiram da própria rebelião natural do cantor.

O mesmo acontece com muitas de suas letras e até mesmo com videoclipes. Se já falamos da força do videoclipe de “I want to break free”, aquela música que acabou virando um hino de resistência para a banda e para setores oprimidos ao longo da história.

Porém, toda essa força e toda essa rebelião característica de Freddie Mercury não estavam sozinhas. E durante os últimos dias de sua vida Mercury colocou de lado qualquer tipo de atitude rebelde para que o profissionalismo e a emocionalidade tomassem o centro das atenções .

Assim, por exemplo, em 30 de maio de 1991, Freddie e o resto da banda filmaram o último videoclipe do grupo antes da morte do líder carismático (ele morreu em 24 de novembro de 1991). E longe da atitude desafiadora e rebelde, profissionalismo e sacrifício foi o que se destacou daquele “último show” de Freddie . 

Não mais o bigode característico que se tornou um de seus traços distintivos; no vídeo podemos ver um Freddie Mercury quieto. A magia de edição e maquiagem é o que torna possível para camuflar uma realidade dolorosa: AIDS foi devastando Freddie, que estava pálido e magro.

Escrita pelo baterista Roger Taylor, o próprio autor reconheceu que as letras são inspiradas em sua vida e na de seus filhos; tentando fazer um balanço do que eles viveram até aquele momento e o que eles ainda tinham para viver.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio