Há exatos 31 anos, Freddie Mercury fez sua última aparição pública

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Boatos circulavam no final dos anos 1980, alimentados pela imprensa da Inglaterra, de que Freddie Mercury tinha AIDS. O cantor havia realizado seu último show com o Queen em 9 de agosto de 1986, no Knebworth Park, a data final de sua Magic Tour. Foi a maior turnê da banda até agora e tocou para mais de um milhão de pessoas ao redor do mundo.

No ano seguinte, Mercury foi diagnosticado com AIDS. Esse fato foi mantido tão privado que a banda nem foi informada a princípio. “Há muito tempo não sabíamos o que estava errado”, diz o guitarrista Brian May. “Nunca conversamos sobre isso e era uma espécie de lei não escrita que não o fazíamos. Ele apenas nos disse que não estava com vontade de fazer turnês, e foi só isso.”

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A banda conseguiu completar dois álbuns nos anos seguintes: The Miracle (lançado em 1989) e Innuendo (lançado no início de 1991). Tornou-se cada vez mais desafiador conforme a saúde de Mercúrio piorava. Quando eles gravaram “The Show Must Go On”, May se perguntou se Freddie Mercury era fisicamente capaz de cantar.

VEJA MAIS: Site expõe dossiê sobre supostas traições de Nego do Borel; confira!

Ele entrou e o matou, lacerou completamente aquele vocal”, lembra May. Enquanto o estado físico do cantor ficava cada vez mais fraco, Mercury ainda estava determinado a contribuir com o máximo possível. “Ele não parava de dizer. ‘Escreva-me mais. Escreva-me coisas. Eu quero apenas cantar isso e fazer isso e quando eu for embora, você pode terminar. ‘ Ele não tinha medo, realmente.”

Quando Mercury, Brian, o baixista John Deacon e o baterista Roger Taylor apareceram em 18 de fevereiro de 1990, no Brit Awards de 1990 para receber o prêmio de Contribuição Extraordinária para a Música Britânica, as pessoas ficaram chocadas com a aparência esquelética de Mercury. May falou, agradecendo tanto à indústria musical quanto ao público por “muita liberdade para explorar o que chamamos vagamente de nossa arte em qualquer medida que sentíssemos na época”, o que permitiu que o Queen vagasse por “um monte de membros estranhos que parecia muito precário na época, mas não caímos totalmente.

Pouco antes de a banda tocar, Freddie Mercury aproximou-se do microfone e disse: “Obrigado … boa noite.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio