kurt cobain
O cantor norte-americano Kurt Cobain (FOTO: Reprodução)

Numa entrevista recente à BBC 6 Music, o antigo produtor do Nirvana, Butch Vig falou sobre o processo de gravação do lendário álbum, “Nevermind”, que foi lançado em 1991. Butch detalhou a primeira vez que ouviu o hino icônico Smells Like Teen Spirit, e também falou sobre as conversas que teve com Kurt Cobain sobre a canção.

O produtor do Nirvana também mencionou um estranho hábito que Kurt Cobain costumava fazer antes das sessões de gravação, e esta informação foi revelada após 29 anos de espera. Eis o que ele disse a esse respeito:

“No primeiro dia, lembro-me que estávamos a preparar-nos para gravar e depois o Kurt pousou a guitarra e sentou-se num canto sozinho; e eu disse: ‘Está bem? Precisa de alguma coisa?

E o Krist puxou-me para o lado e disse: “Não faz mal, ele só fica assim nestes momentos divertidos, só temos de o deixar em paz e ele vai sair disto”. E com certeza, cerca de uma hora e meia depois, Kurt levantou-se, pegou na sua guitarra e disse: “Vamos” – e nós gravámos.

Tive de aprender a lidar com isso, mas, sim, foi fantástico       . Krist tinha apenas um sentido de humor engraçado e houve alguma tensão nessa sessão porque o Kurt nem sempre estava particularmente contente com a bateria do Chade, e eu podia apenas ver e sentir essa tensão a aumentar”.

VEJA TAMBÉM: Segredo íntimo de Elvis Presley vem à tona 40 anos após sua morte

Sobre “Smells Like Teen Spirit”, o artista disse: “A primeira vez que ouvi ‘Teen Spirit’ foi no ensaio em Hollywood Norte, e eu estava absolutamente no chão. Entrei na sala e eles estavam a preparar o equipamento e foi a primeira vez que conheci Dave Grohl.

O Dave não tinha microfones na bateria, e tanto o Chris como o Kurt tinham estes amplificadores incrivelmente altos e também tinham microfones postos neles, e mesmo assim o som do Dave era igualmente potente e flutuante e subia acima da guitarra e do baixo. E eles tocaram a música, e eu lembro-me de andar por aí a dizer, “Oh meu Deus, isto é incrível”. E foram feitas, disseram: “O que acham?”.

Eu pensei: “Toca outra vez”. Estava apenas a tentar perceber o que teria de fazer. Não tive de fazer muitos arranjos com eles nessa canção. Como acabou, eles estavam ensaiando todos os dias há seis meses, e estavam muito apertados e muito concentrados, mas eu sabia desde aquele primeiro dia que ‘Teen Spirit’ era algo especial”.

Sobre a sua colaboração e conversas com Kurt Cobain, ele disse: “Acho que fui um bom partido para eles porque tinha uma sensibilidade pop e sempre encorajei isso, sabem, para ter a certeza de que estava realmente concentrado, nas suas canções”. Mas eu tinha um passado punk, e isso é o que eu acho que impressionou a banda mais do que tudo – o meu pedigree punk.

E assim, as demos Sub Pop são uma coisa, mas quando entrámos para gravar ‘Nevermind’, o Kurt tinha escrito estas canções incrivelmente giras e eu queria mesmo ter a certeza de que os hooks estavam realmente concentrados, e eles confiaram em mim.

E por vezes Kurt Cobain não precisava fazer nada; normalmente conseguia arranjar uma forma de o convencer a fazer uma dupla faixa de guitarra ou vocal ou a refazer algo se achasse que podia ser melhor, e ele fazia, por isso foi uma boa relação de trabalho”.

Clique abaixo para assistir ao depoimento do músico Butch Vig: