FOTO: Reprodução

O músico e produtor brasileiro Hebert Neri está elevando o nome do Brasil em Portugal, fazendo a diferença em terras lusitanas e deixando a sua marca através da música, da escrita, do rádio e das artes. 

Desde que chegou a Portugal, em 2018, Neri tem se envolvido ativamente na cena cultural do país, seja através de concertos em que toca e canta clássicos da MPB e da música internacional, no formato piano e voz, ou em projetos com bandas e artistas portugueses.

Projetos
O músico brasileiro já esteve em todas as principais emissoras de TV de Portugal, SIC, TVI e RTP, se apresentando ao vivo, em rede nacional, com a banda portuguesa D’Alma, da qual se tornou integrante fixo, além de tocar em eventos importantes do país, como nas comemorações dos 500 anos do foral e na Feira do Livro da Maia, cidade da região metropolitana do Porto e uma das mais populosas e importantes de Portugal. 

VEJA TAMBÉM: Vocalista de famoso grupo americano morre aos 76 anos

O músico já realizou concertos solo, piano e voz, além de participações com outras bandas, como músico convidado, em todo o território português, se apresentando em cidades como Lisboa, Porto, Maia, Penafiel, Peso da Régua e no Algarve, participando desde festivais até eventos promovidos pelas Câmaras Municipais destas cidades.

Neri também é compositor e produtor musical de trilhas sonoras que têm execução no Brasil e em Portugal, tendo obras em que participa como músico, produtor ou compositor veiculadas na rádio, TV, streaming e até mesmo no cinema, em ambos os países.

Recentemente, Neri se uniu ao cantor e ator Hugo Vasconcelos, semifinalista do The Voice Portugal 2019 parte da nova geração de jovens talentos portugueses, realizando parceria com ele em diversos projetos pensados para as plataformas digitais. A dupla também realizou diversos concertos que conjugam a música com outras formas de arte, como as artes plásticas, como na abertura e encerramento da série Escarlate, do designer e artista português Mário Taffarel.

No entanto, devido à pandemia de covid-19, algumas das apresentações que estavam agendadas para este ano, onde Hebert Neri se apresentaria tanto cmo artista solo, como em parceria com bandas locais, tiveram de ser adiadas. “É um momento difícil que o mundo inteiro vive devido ao novo coronavírus. Por isso, apesar de ter este contratempo de ser preciso adiar shows e eventos musicais, para a própria segurança das pessoas, tenho aproveitado para investir nas plataformas digitais, assim como produzir música, aprender coisas novas e também ensinar um pouco sobre a arte da produção fonográfica através da internet”, conta o músico, que tinha previstos concertos também na Espanha e Itália este ano.

Além da música

Polivalente, Neri, além de músico e produtor musical, tem uma carreira como jornalista, correspondente internacional e radialista. Seu programa semanal, veiculado na Rádio FM nos distritos de Aveiro, Viseu e Porto, o Neri Talks, tem agradado ao público português e também aos internautas, através das plataformas digitais como Spotify, Deezer e Google Podcasts, com milhares de acessos.

Atuando também no campo da escrita, Hebert Neri, que também tem habilitação profissional como jornalista, lançou em novembro de 2019 o seu livro, intitulado Confronto, durante evento realizado na cidade do Porto, Portugal. A obra, disponível mundialmente pela Amazon e no Google Books, trata-se de uma coletânea de 100 crônicas escritas pelo autor ao longo de 10 anos, onde algumas delas haviam sido apresentadas na Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro em 2015, em um sarau literário.

A ocasião do lançamento no Porto contou com a presença da banda D’Alma, que cantou alguns de seus maiores sucessos, tendo Hebert Neri ao teclado.

O músico e escritor explica o propósito do seu livro e como isto se conjuga com o seu lado músico. “Existe a necessidade de usar a arte para dialogar e apelar ao nosso senso crítico, para que assim tenhamos a oportunidade de nos tornar pessoas melhores. Vejo a escrita, assim como a música, e tantas outras expressões artísticas que existem, como uma forma de tocar a nossa alma e nos lembrar que, apesar de toda a correria e loucura do mundo voraz em que vivemos, precisamos parar por um momento e fazer uma autoanálise, e posteriormente olhar ao nosso redor e ver que a dor do outro também nos afeta, que todos nós somos humanos e não apenas números no sistema.  Meu livro busca confrontar a cada um de nós, no intuito de nos fazer sair da nossa zona de conforto e questionar, repensar, refletir e, se necessário, mudar posturas e atitudes. Minha música, minha escrita e minha arte de um modo geral, sempre convergem para este fim, de provocar impacto positivo e promover alguma mudança”, finaliza Neri.