História da vida de Latino será contada em livro e série; saiba tudo!

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Latino, de 48 anos e 30 anos dedicado à música. O cantor, irá aproveitar sua história, cheia de altos e baixos e escreverá um livro, qual pretende transformar em série em 2022, sobre tudo o que viveu até agora. Desde sua infância nos Estados Unidos, até quando foi preso e até mesmo à falência. Em uma entrevista à Quem, o cantor falou sobre o projeto.

“Coleciono alguns discos de ouro na minha parede. É uma história memorável dentro dessas quase três décadas. São muitas coisas que aconteceram desde quando morei fora até hoje. Quero contar tudo. Também foram muitas pessoas que ajudei a conquistar o que têm hoje, como a Luka e a Kelly Key. Sempre fui assim de querer apostar nos outros. Ajudar o próximo”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

VEJA MAIS: Românticos! Anitta e Lipe Ribeiro aproveitam viagem luxuosa em Punta Cana

Latino foi morar em Nova York com a mãe, Regine Dirce Lorback, quando ela se casou com um americano, no início dos anos 80. “Nos Estados Unidos fiz muita besteira, pichava, tinha muitos amigos que não prestavam. Única coisa que nunca fiz, foi usar drogas. Fui preso envolvido em um roubo de carro e deportado para o Brasil”, admite o brasileiro.

(FOTO: Reprodução)

“Morei quase seis anos nos Estados Unidos. Foi lá que aprendi o meu jeito de dançar e cantar. Me chamavam de Latinboy. Fiz o ensino médio lá, montei uma boyband e comecei a animar festas. Depois, surgiu uma oportunidade de trabalhar com o David Copperfield (ilusionista) e fiquei quatro meses viajando com ele nos bastidores. Trabalhava em lojas e estudava,nos fins de semana, fazia turnês. Ali, comecei a pegar gosto pelos palcos, dançava e fazia mágica. Com o tempo, comprei um violão e passei a compor. O berço que tive nos Estados Unidos me fez ser tudo que sou hoje”, enaltece.

De volta ao Rio de Janeiro, Latino encontrou outra realidade: “Quando cheguei, meu pai não aceitava eu ser artista e queria que seguisse na carreira militar. Tive uma discussão com ele, acabei expulso de casa. Fui morar em uma pracinha embaixo de um viaduto do Méier. Foi ali que conheci o Edir Macedo e o RR Soares. Comecei a lavar carro e engraxar o sapato deles. Minha tia Marlene me acolheu, mas ao invés de voltar para o Engenho de Dentro, dormia ali. No fim de semana, voltava para casa dela, onde morávamos em sete. Apesar de não ter condições financeiras, minha tia me apoiava muito”, agradece Latino.

(FOTO: Reprodução)

Para ler a entrevista completa, clique aqui.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio