Ícone: ‘Like a Prayer’ e a importância de Madonna nos anos 80

Publicado em 24/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Madonna foi uma das artistas mais progressistas e transgressoras na música pop. Quebrando diversos tabus em suas obras audiovisuais, a Rainha do Pop não temia nada e nem ninguém – nem mesmo a Igreja.

Nos anos 80, a artista lançou a icônica Like a Prayer – primeiro single do álbum de mesmo nome. E o conteúdo presente na obra não agradou as mentes mais conservadoras.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como uma forma de dar voz para grupos minorizados pela sociedade, a cantora usou iconografia religiosa, cenas de estupro, queimou cruzes, e um dos atos mais polêmicos do vídeo – acredite se quiser -, foi a presença de um santo negro.

VEJA TAMBÉM: Maior clipe de Michael Jackson quase foi destruído pelo cantor

A letra da música diz: “Quando você chama meu nome é como uma pequena oração, estou de joelhos, eu quero levá-lo lá. À meia-noite posso sentir seu poder, igual a uma oração, você sabe que o levarei lá”.

Em postagem feita 30 anos após o lançamento da obra, Madonna disse: “30 anos atrás eu lancei Like a Prayer e fiz um vídeo que causou muita controvérsia porque eu beijei um santo negro e dancei em frente de cruzes pegando fogo”.

“Eu também fiz um comercial para a Pepsi que foi banido porque o vídeo foi visto como inapropriado. Parabéns para mim e para a controvérsia!”.

O comercial citado pela cantora foi lançado um pouco antes do clipe e trazia a música com trilha sonora. O clipe apresentava duas “Madonnas”: uma adulta, e uma criança que a via na televisão. Apesar de ter sido transmitido simultaneamente em 40 países e não ter nada de diferente, foi banido.

Estimasse que a cantora recebeu mais de 5 milhões de dólares para estrelar três comerciais para a marca de refrigerante, mas os outros dois nem chegaram a ser transmitidos. O contrato com Madonna foi desfeito após pressão do Vaticano.

Hoje em dia – mais de 30 anos após o lançamento -, o clipe possuiu mais de 130 milhões de visualizações no Youtube, mesmo sendo colocado na plataforma apenas em 2009.

Nas plataformas de áudio (como Spotify, Apple Music, Deezer, TIDAL…), a canção já ultrapass as 200 milhões de reproduções.

O jornalista Toby Creswell escreveu em seu livro 1001 Músicas: As Melhores Músicas e Artistas de Todos os Tempo, Histórias e Segredos Por Trás Delas que “‘Like a Prayer’ é um número devocional “muito bem trabalhado disfarçado de pop perfeito. Deus é a caixa de ritmos aqui”.

O teólogo Andrew Greeley comparou a obra à música aos hinos presentes no livro religioso hebraico Cântico dos Cânticos. Embora tenha se concentrado mais no vídeo, Greeley reconheceu o fato de que a paixão sexual pode ser reveladora, e prezou a estadunidense por glorificar ideologias da subjetividade feminina e da feminilidade na faixa.

A Slant Magazine disse: “‘Like a Prayer’ sobe às alturas como nenhuma outra canção pop lançada antes — ou depois dela. Assim como muitas outras do álbum, a sua produção brilhante dá lugar a um poder além dos sons de estúdio, e não é mera coincidência se sua reverência como a de corais parece uma experiência religiosa”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio