iza
A cantora carioca IZA (FOTO: Reprodução)

Em parceria com a Fundação Humanity Lab e com o Escritório de Parcerias das Nações Unidas, os artistas IZA e Maejor, junto com a Warner Music Brasil, lançam, nesta quinta-feira, dia 21 de maio, em todas as plataformas digitais a música “Let Me Be The One”, resultado da campanha Be The One – apoiada pela UNESCO, Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e Aliança Mundial YMCA.

O projeto, foi pensado em prol de causas importantes, das quais fazem parte 17 objetivos globais lançados pelas Nações Unidas. Acompanhando a faixa, o curta, gravado em São Paulo, com direção de Felipe Sassi, contará com as presenças de IZA e Maejor, além da participação muito especial de refugiados de vários países. A ideia é dar visibilidade para essas pessoas que saíram de seus países e viram no Brasil um novo lar.

O clipe foi gravado em fevereiro deste ano, antes do isolamento social, com a presença de profissionais do ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) envolvida no processo. “Saímos para jantar antes do clipe e isso ajudou a entender a preocupação que o Maejor tem com essas causas. Tem tudo a ver comigo e espero que esse projeto consiga tocar muitos corações”, conta IZA.

Outra ação programada para divulgar a campanha é um evento online, que acontece hoje, dia 21 de maio, às 14h, e que reunirá IZA e Maejor, juntamente com profissionais da ONU, Warner Music Brasil e Humanity Lab Foundation. O painel de debate será transmitido pelo Youtube, Facebook e Twitter da IZA e no Youtube do Multishow também e terá um pocket acústico de três músicas de cada um dos artistas.  O lançamento também coincide com o Dia Mundial das Nações Unidas para a Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento. O clipe de “Let Me Be The One” ficará disponível logo após a conferência.

Segundo Maejor, a música tem como objetivo apresentar às pessoas as frequências de cura. “A melhor maneira de fazer isso era criar músicas com a mesma vibração do que estão ouvindo agora e ajustar a música em 432Hz. Portanto, independentemente da letra ou da batida – a frequência de cura pode ter um impacto positivo na pessoa que está ouvindo minha música”, conta Maejor. “‘Let Me Be The One’” está sintonizado em 432Hz e suporta a missão da minha vida de curar por meio do som”, completa.

O movimento Be The One tem como finalidade incentivar pessoas a serem agentes de liderança em suas próprias comunidades fornecendo ferramentas para que elas consigam contribuir para um futuro melhor, assim, fazendo parte da solução para os problemas que afetam o planeta. O plano é arrecadar doações, vendas e parcerias com produtos feitos especialmente para a campanha.

View this post on Instagram

#betheone @betheone_to @thehumanitylab

A post shared by IZA (@iza) on

“A mudança real virá com a participação e contribuição de todos: governos, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos”, disse o coordenador das Nações Unidas no Brasil, Niky Fabiancic. “Especialmente agora, diante da crise do Covid-19, é claro que só poderemos reconstruir nossas vidas se cooperarmos e, trabalhando juntos, podemos reconstruir uma versão melhor do mundo, com mais unidade entre os povos, mais igualdade e justiça, melhores sistemas de saúde e educação e mais respeito ao meio ambiente”.

VEJA TAMBÉM: O dia em que George Michael deu em cima de policial durão e acabou preso

Concebido e com curadoria de Hazami Barmada, o Be The One é organizado pela Humanity Lab Foundation. Desde 2017, a Humanity Lab Foundation recebe iniciativas em parceria com o Escritório de Parcerias da ONU e o Escritório do Presidente da 73ª Assembleia Geral das Nações Unidas para ampliar o envolvimento global em torno dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

“Foi muito bacana receber esse convite do Maejor, através da gravadora. Eu sou muito fã dele e da sua trajetória, acho um artista muito inventivo”, conta IZA. “Fiquei muito animada com essa proposta, principalmente sendo uma campanha da ONU e do ACNUR, com quem eu sempre quis me envolver”, completa. “Com tantas idas e vindas desse projeto, por conta da quarentena, realmente não há momento melhor para essa música e esse clipe serem lançados”, acrescenta.