madonna
A cantora norte-americana Madonna (FOTO: Reprodução)

Demorou 11 anos, mas o julgamento decorrente do colapso fatal de um palco que estava sendo montado para um show de Madonna na cidade de Marselha, no sul da França, finalmente começou nesta quarta-feira (07).

Dois trabalhadores morreram no acidente em 16 de julho de 2009 e oito ficaram feridos, um dos quais cometeu suicídio dois anos depois. No total, onze pessoas e pessoas jurídicas foram indiciadas por homicídio culposo, causando lesões não intencionais e diversas infrações à legislação trabalhista relacionadas ao acidente.

A própria Madonna não falou com um juiz de instrução porque disse que não tinha nada a ver com os detalhes técnicos de seus shows. A cantora apresentou suas condolências às famílias da vítima.

French trial of Madonna stage deaths finally begins
(FOTO: Reprodução AFP / Michel Gangne)

Três dias antes de ela se apresentar no estádio de futebol Velodrome de Marselha, o teto do palco desabou, matando Charles Criscenzo, 52, e Charles Prow, 23.

Giuseppe di Silvestro, que estava entre os feridos, suicidou-se dois anos após o acidente.

VEJA TAMBÉM: Influente! Site de registro eleitoral sai do ar após Ariana Grande incentivar fãs a votar

Depois de uma investigação de 10 anos, dois adiamentos e uma suspensão, o julgamento começou com a presidente do tribunal, Marie-Pierre Attali, destacando “a necessidade de prestar atenção às partes civis e seus entes queridos, que realmente precisam que este julgamento aconteça”.

Ela observou que atrasos adicionais, em particular devido ao coronavírus, devem ser evitados a todo custo. Entre os 11 réus estão Live Nation France 2006, que organizou o concerto, o Edwin Shirley Group (ESG) que foi dono do palco, Tour Concept France que ajudou a montá-lo, Mediaco, uma empresa que possuía um guindaste implicado no acidente, e Scott Seaton, cidadão britânico contratado pelo ESG como capataz.