Kanye West é processado por horas extras não pagas e outras violações trabalhistas

Cantor não teria pago por despesas de viagens

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Uma ex-funcionária da Yeezy, empresa de Kanye West, acusou o rapper não pagar pelo trabalho que ela precisa fazer 24 horas por dia, além de outras violações trabalhista da Califórnia.

Taliah Leslie argumenta que Kanye regularmente classifica erroneamente os funcionários como contratantes independentes, privando-os de salários e outros lucros, apesar de suas responsabilidades em tempo integral como trabalhadores de escritório.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

VEJA TAMBÉM: Produtor famoso faz música sobre Vitão e Luísa Sonza: “Rouba mozão do outro”

Leslie, que diz ter trabalhado para Yeezy como designer assistente, está buscando penalidades civis de acordo com seus direitos perante as leis trabalhistas da Califórnia, honorários advocatícios e outros recursos que o tribunal considera apropriados.

Além disso, Kanye West foi processado por uma ex-funcionária da empresa de Kanye West, que afirma que ele não pagou pelo trabalho que precisava fazer horas extras, além de outras violações da lei trabalhista da Califórnia. 

Um ex-funcionário também acusou Yeezy de não compensá-lo pela viagem aos subúrbios necessária para o trabalho, incluindo uma viagem a Paris, França.

Ele afirma que não foi pago por horas extras ou intervalos para refeição exigidos pela Califórnia e não foi reembolsado pelos custos associados a telefones celulares, uso da Internet ou viagens obrigatórias exigidas para desempenhar suas funções.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio