Um dos casos mais emblemáticos da história do entretenimento recente é a disputa judicial entre Kesha e seu produtor Dr. Luke que já se estende há quatro anos. As principais acusações da cantora eram de controle criativo da carreira, abuso emocional e sexual. Agora a corte jurídica de Nova York publicou os documentos oficiais contendo depoimentos de testemunhas e documentos pertencentes ao processo. Os registros detalham os testemunhos de Lady Gaga, Katy Perry, Kelly Clarkson e Adam Levine no processo. Todos eles dando detalhes sobre suas ligações com Kesha ou Dr. Luke no passado.

As transcrições são longas e podem ser lidas clicando AQUI (em inglês). Confira abaixo alguns dos trechos mais importantes. Um dos principais temas seria o “rumor” de que Dr. Luke teria estuprado Katy Perry.

VEJA TAMBÉM: Traficante de Demi Lovato afirma em entrevista que mantinha relações sexuais com a cantora

Katy negou ter sido estuprada por Lukasz Gottwal, mais conhecido como Dr. Luke. A declaração da cantora foi dada em julho de 2017, durante o processo movido pelo produtor contra a cantora Kesha, que o acusava de estupro em 2014. O site “US Weekly” teve acesso aos documentos sobre a disputa judicial. Katy declarou que “com toda a certeza” nunca sofreu nenhum abuso por parte do produtor e negou que já tenha confessado a alguém que foi estuprada por ele. “Mesmo assim, Kesha se recusa a pedir desculpas. Ao invés disso, Kesha publicou um comunicado à imprensa onde, mais uma vez indica que Katy Perry foi de fato estuprada. Parece que Kesha quer perpetuar a falsa acusação de que Dr. Luke estuprou Katy Perry”, adiciona a nota publicada pela revista People, que traz a troca de acusações entre Kesha e Dr. Luke.

A narrativa de que Dr. Luke teria estuprado a dona do hit “Swish Swish” passou a ser noticiada em junho, quando o site “The Blast” obteve informações de que Kesha chegou a mandar mensagens para Lady Gaga sugerindo que o produtor também tinha estuprado Katy Perry. No texto, a defesa do produtor afirma que as acusações de Kesha são infundadas e que a cantora, na conversa com Lady Gaga, ainda a encorajou a espalhar notícias negativas sobre ele nas redes sociais e através dos veículos de imprensa.

Kesha rebateu as informações, através dos seus advogados: “Kesha nunca disse ter conhecimento sobre um possível abuso contra Katy Perry (algo que a senhorita Perry negou mais tarde). Para ser claro, Dr. Luke está processando Kesha baseado em uma mensagem mensagem privada de Kesha mandada para Lady Gaga em 2016, pouco depois do CEO da Interscope, John Janick, dizer a Kesha e Lady Gaga de que ele havia ouvido um rumor sobre Dr. Luke ter abusado de Katy Perry. A declaração de Janick foi discutida privadamente entre amigos e nunca viria a público se Dr. Luke não tivesse decidido publicar isso para milhões de pessoas quando reclamou contra Kesha em 2017.”

Lady Gaga confirmou em seu depoimento que realmente ouviu do diretor da empresa, John Janick este rumor. “Ele disse que ouviu um rumor. Não me lembro exatamente o que ele disse. Eu só lembro que ele trouxe esse assunto. Ele disse algo como ter ouvido que Dr. Luke estuprou Katy Perry também”, afirmou a cantora de “Bad Romance”.

Outra cantora também ouvida no caso foi Kelly Clarkson. A cantora que já chegou a declarar publicamente que não acredita que o produtor “seja uma boa pessoa”, testemunhou dizendo que Dr. Luke pode assumir uma postura de “bully” e de humilhar os outros. “Não conheço ninguém que gosta dele. Eu não gosto dele como pessoa”. Kelly já tinha indicado que não aprovou sua experiência em trabalhar com Dr. Luke em músicas como “Since U Been Gone” e “Behind These Hazel Eyes”, lançadas em 2004. Já no ano de 2009, ela foi obrigada contratualmente pela gravadora a retomar a parceria com ele na música “My Life Would Suck Without You”. Ela conta um diálogo que teve com o produtor.

“Ele chegou para mim e disse: ‘eu não sei qual é o seu problema sobre nós’. Eu só o cortei e disse: ‘cara, você sabe exatamente qual é o problema, como coisas que você fez por trás das câmeras’”, contou. Kelly Clarkson ainda explicou que Dr. Luke subestimava sua capacidade de colaborar no processo criativo.

“Eu falei como: ‘tudo bem que você não gosta de mim e eu não gosto de você. Há muitas pessoas no mundo como você e eu espero que tenha sucesso em seus empreendimentos. Eu vou ter sucesso no meu. Não temos que trabalhar juntos. Você sabe porque eu estou aqui, fui obrigada a estar’”, explicou. Apesar de ter suas próprias experiências negativas contra Dr. Luke, Kelly Clarkson não pôde confirmar as alegações de Kesha.

Já o depoimento de Adam Levine, vocalista da banda Maroon 5, foi curto e objetivo. Os advogados tentaram questioná-lo sobre a razão pela qual ele não trabalhou mais com Dr. Luke após todas as polêmicas surgirem, mas ele declarou que não ficou a par de todas as notícias divulgadas pela imprensa. “Toda a cobertura da imprensa sobre a declaração de Kesha contra Dr. Luke te fez ficar preocupado como um artista?”, questionou o advogado. “Eu acho que isso de alegação preocupa qualquer um, mas eu não escuto as notícias”, explicou Adam.

Nas parcerias com Kesha, Dr. Luke atuou como produtor em alguns dos maiores sucessos da cantora nos álbuns “Animal” (2010), Cannibal (2010) e “Warrior” (2012). Já com Katy Perry, ele produziu “One of the Boys” (2008) e trabalhou como um dos compositores dos hits “I Kissed a Girl” e “Hot n Cold”.

Além de negar todas as acusações, Dr. Luke afirma ter tido um prejuízo de US$ 10 milhões em danos desde que as acusações de Kesha se tornaram públicas. O produtor afirma que chegaria a tais valores caso tivesse continuado a trabalhar nos discos de Katy Perry além de citar os danos financeiros por sua má reputação no meio musical.

Recentemente com o objetivo de retomar a carreira, Kesha resolveu retirar em agosto de 2016 as acusações contra o produtor de que teria sido abusada sexualmente, fisicamente e emocionalmente por ele.