katy perry
A cantora Katy Perry (FOTO: Reprodução)

A cantora Katy Perry estampou a reportagem de capa da revista Vogue australiana e deu uma entrevista, onde revelou ter ficado verdadeiramente abalada com a recepção mais morna de seu álbum “Witness” (2017). Na reportagem a cantora norte-americana comentou pela primeira vez o assunto depressão.

“Eu tive crises de depressão e meu coração quebrou no ano passado porque, sem saber, coloquei muita validade na reação do público e ele não reagiu da maneira que eu esperava… o que partiu meu coração”, explica.

A fase “Witness” de Katy Perry foi um pequeno susto na carreira da cantora. Com inúmeros hits no currículo até então, a norte-americana era considerada uma aposta segura para as rádios e paradas de sucesso. Ainda no ano de 2011, ela igualou o recorde de Michael Jackson, com cinco singles de um mesmo álbum no topo da Billboard Hot 100: “California Gurls”, “Teenage Dream”, “Firework”, “E.T” e “Last Friday Night”.

Já o disco “Witness” acabou não rendendo nenhum nº 1 – algo inédito na carreira dela. “Música é meu primeiro amor e acho que isso foi o universo dizendo: ‘OK, você tem toda essa linguagem sobre auto-amor e autenticidade, mas nós vamos fazer outro teste e tirar qualquer tipo de validação e então vamos ver o quanto você realmente ama a si mesma”, diz Katy sugerindo que acredita que a fase funcionou como um período para ela testar o seu amor próprio. Para se recuperar da fase ruim, Katy Perry optou por passar uma semana no Instituo Hoffman, um retiro espiritual localizado na Califórnia.

katy 2

Mais recentemente Katy também se reencontrou com a religião. No mês de abril, a cantora esteve com o Papa Francisco na Itália.

VEJA TAMBÉM: Perfume de Britney Spears frusta fãs e rende memes na web

“Sou uma grande fã do Papa Francisco. É uma combinação de compaixão, humildade, severidade e recusa. Ele é rebelde – mas um rebelde de Jesus”, afirmou. Vale lembrar que a família de Katy é cristã e a cantora chegou a fazer música gospel antes de entrar para o universo pop. “Minha mãe orou por mim a vida toda, esperando que eu voltasse para Deus. Mas eu nunca o deixei, eu era apenas um pouco secular, eu era mais materialista e mais voltada para a minha carreira. Mas agora que estou nos meus 30 anos, é mais sobre espiritualidade e integridade do coração”, explicou.

“Tudo começou quando estávamos na parte asiática da turnê e eu fui à missa com minha mãe. Ela não cantava aquelas músicas há anos e vê-la me fez chorar. É tão bonito e humilhante se re-centrar em um lugar onde não se trata de mais nada, mas de se reconectar com o divino” explicou.