Kurt Cobain voltou à vida? Música inédita do Nirvana surge na web

A faixa ficou incrível

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Desde a morte de Kurt Cobain em 1994, os fãs do Nirvana têm hipóteses sobre a música que ele teria feito se vivesse. Mas, além de “You Know You Right”, a meditação escabrosa sobre a confusão que o Nirvana gravou alguns meses antes de seu suicídio, ele deixou principalmente pontos de interrogação.

Agora, uma organização criou uma “nova” música do Nirvana usando um software de inteligência artificial para aproximar a composição do cantor e guitarrista. Os riffs de guitarra variam entre o estilo calmo de “Come as You Are” e a fúria de Bleach à la “Scoff”. 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mas além dos vocais – o trabalho do vocalista da banda de tributo ao Nirvana, Eric Hogan – os criadores da música dizem que quase tudo na música, desde as viradas da frase até a performance de guitarra imprudente, é trabalho de computadores. A intenção deles é chamar a atenção para a tragédia da morte de Cobain por suicídio e como músicos vivos podem obter ajuda para a depressão.

VEJA MAIS: Gay? Fiuk do BBB revela que integrante do One Direction flertou com ele

A música, intitulada “Drowned in the Sun”, faz parte do Lost Tapes of the 27 Club, um projeto com canções escritas e em sua maioria executadas por máquinas nos estilos de outros músicos que morreram aos 27: Jimi Hendrix , Jim Morrison e Amy Winehouse. Cada faixa é o resultado de programas de IA que analisam até 30 músicas de cada artista e estudam a fundo as melodias vocais das faixas, mudanças de acordes, riffs e solos de guitarra, padrões de bateria e letras para adivinhar como suas “novas” composições soariam. O projeto é obra da ‘Over the Bridge’, uma organização de Toronto que ajuda membros da indústria musical que lutam contra doenças mentais.

“E se todos esses músicos que amamos tivessem suporte de saúde mental?” diz Sean O’Connor, que está no conselho de diretores da Over the Bridge e também trabalha como diretor de criação da agência de publicidade Rethink. “De alguma forma, na indústria musical, [a depressão] é normalizada e romantizada… Sua música é vista como um sofrimento autêntico.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio