gaga
A cantora norte-americana Lady Gaga (FOTO: Reprodução)

Sam Smith se identifica como uma pessoa “não binário”, ou seja, ele não se vê como homem e nem como mulher – e foi Lady Gaga quem o ajudou a se aceitar.

Em entrevista para a revista Vogue, Sam revelou: “Gaga é provavelmente a razão que eu na verdade compreendi o meu gênero”.

“Eu tinha 15 anos quando o ‘The Fame’ foi lançado e eu estava obcecado por Lady Gaga e ela, pra mim, ela me deu a permissão completa de seu eu mesmo e de ser orgulhoso de ser queer”, disse.

VEJA TAMBÉM: Patricia Marx desabafa sobre se assumir lésbica: “Minha criação foi outra”

A artista sempre foi abertamente a favor da comunidade LGBTQ+. Músicas e clipes como Born This Way, Free Woman e Alejandro mostram o poder da comunidade e incentiva os fãs as se aceitarem.

O álbum citado por Sam foi lançado em 2008 e marcou a estreia da cantora no grande cenário musical. Do projeto, saíram sucessos como Poker Face, Just Dance e LoveGame.