ariana grande
A cantora norte-americana Ariana Grande (FOTO: Reprodução)

Nesta quinta-feira (21), Lana Del Rey postou uma carta aberta contra a indústria do entretenimento. Segundo a cantora, ela sempre foi apontada e criticada por, supostamente, abrilhantar os relacionamentos abusivos em suas músicas. No texto publicado em seu Instagram, Lana mencionou algumas cantoras, como por exemplo, Ariana Grande.

“Agora que Doja Cat, Ariana, Camila, Cardi B, Kehlani, Nicki Minaj e Beyoncé tiveram músicas #1 falando sobre ser sexy, sem usar roupas, fod****, traindo e etc, posso voltar a cantar sobre se sentir bem por estar apaixonada mesmo se o relacionamento não é perfeito, ou dançando por dinheiro, ou o que eu quiser, sem ser crucificada ou dizerem que eu glamurizo o abuso?”

A postagem gerou centenas de críticas, vindo dos fãs das outras estrelas e demais apoiadores, que não gostaram da tal atitude. Mesmo depois dos esclarecimentos, a situação não alterou muito. Na noite desta sexta-feira (22), a intérprete de “Born To Die” postou uma nova carta aberta em seu Instagram. Veja:

Confira a tradução:

“Algumas notas finais sobre meu ‘post controverso’, que não é controverso de maneira alguma. Apesar do feedback que recebi de várias pessoas que mencionei de maneira elogiosa – seja Ariana ou Doja Cat – quero dizer que permaneço firme em minha clareza e postura em que o que eu estava escrevendo era sobre a importância da auto-defesa da personalidade feminina mais delicada e muitas vezes dispensada, e que precisa haver espaço para este tipo no que vai se tornar inevitavelmente uma nova/terceira onda do feminismo, que está se aproximando rapidamente. Aguardem!
Talvez eu devesse ter dado mais contexto à minha postagem mencionando o título do segundo livro que será lançado em março: ‘Por trás dos portões de ferro – ideias de uma instituição’ [tradução livre].
Peço desculpa àqueles que eu só posso assumir que sejam super apoiadores do Trump/Pence ou super liberais ou críticos que não sabem ler e querem fazer disso uma guerra de raças, quando, de fato, o problema era com ‘críticas às mulheres’ e artistas femininas alternativas que são dissociadas de sua própria fragilidade e sexualidade e são aconselhadas por mulheres mais livres sexualmente, como eu e as mulheres que eu mencionei.
Mas na verdade, fazer isso ser sobre raça diz muito mais sobre vocês do que sobre mim – vocês querem o drama, vocês não querem acreditar que uma mulher pode ser linda, forte e frágil ao mesmo tempo, amando e tudo mais, inclusive fazendo reparações pessoais pelo simples prazer de fazê-lo. Nada novo sobre suas reações. Igual a dez anos atrás,quando me atacaram sobre eu estar fingindo minha fragilidade emocional e ter mentido sobre ter sido pobre, quando essa era a verdade.
Meu objetivo e mensagem são claros. Que eu tenho controle da minha própria historia. Se as mulheres que eu mencionei não querem estar associadas à mim, está absolutamente tudo bem pra mim”.

VEJA TAMBÉM: O dia em que o topless de Janis Joplin parou Copacabana

Lana Del Rey finalizou o texto com a seguinte frase: “Se as mulheres que eu mencionei não querem estar associadas à mim, está absolutamente tudo bem pra mim”, e em seguida deu unfollow em alguns perfis no Instagram, incluindo Ariana Grande, dando a entender que algumas das cantoras mencionadas podem não ter gostado da sua publicação.

No último mês de setembro, vale lembrar, Ariana e Lana se juntaram à Miley Cyrus no clipe de Don’t Call Me Angel, single que fez parte da trilha sonora do remake de As Panteras.