Lily-Allen
(FOTO: Reprodução)

A cantora britânica Lily Allen revelou no último sábado (dia 15) que foi vítima de abuso sexual. O incidente será detalhado em sua biografia “My Thought Exactly” (“Exatamente Meus Pensamentos”), que será lançada no próximo dia 20.

Segundo o jornal britânico The Guardian, no livro a cantora conta ter sido assediada e abusada por um grande executivo de gravadora. A artista afirma que quis revelar o nome do empresário na publicação, porém foi desaconselhada pela editora por “razões legais”.

No relato, Lily Allen revela que após beber bastante em uma festa, o homem cedeu o seu quarto num hotel para que ela pudesse descansar. “Mas eu acordei às 5 horas da manhã porque eu podia sentir alguém próximo a mim pressionando seu corpo nu contra minhas costas. Eu também estava nua… Eu podia sentir alguém tentando colocar seu pênis em minha vagina e batendo em minha bunda como se eu estivesse em um clube de stripper. Eu me afastei o mais rápido possível, pulei da cama, encontrei minhas roupas no chão e corri do quarto dele para o meu”.

VEJA TAMBÉM: Ariana Grande decide não prestar queixa contra pastor que apalpou seu seio

“Eu esperei que ele não tirasse proveito da minha fraqueza. Me senti traída. Me senti envergonhada. Me senti com raiva. Me senti confusa” revela a cantora.

Na entrevista para o tablóide, Lily Allen revela que passou a se culpar pelo incidente, pois havia bebido, e que depois se sentiu frustrada por não ter confrontado o empresário ou lhe denunciado. Muito pelo contrário: a cantora continuou trabalhando com ele.

Lily Allen relata que se sentiu “silenciada porque ele tinha mais poder e dinheiro” que ela e ela “tinha medo de ser rotulada de ‘histérica’ e uma ‘uma mulher difícil’”.

A cantora ainda afirma que esse foi o verdadeiro motivo envolvendo seu boicote à rádio BBC1. Lily Allen revelou ter negado um convite da emissora uma vez e que, por isso, a rádio estaria dificultando a divulgação de seu mais recente single, “Trigger Bang”.

Mãe de duas meninas, Lily Allen finalizou a entrevista afirmando que espera que a próxima geração não permita esse “tipo de comportamento predatório”.

“Vamos tentar e ensinar as nossas filhas a serem fortes e mais resilientes, mais do que serem agradecidas, mais insistentes em serem levadas a sério e falar ‘nãos’ mais altos”.