Ludmilla desabafa sobre racismo: “Tive que me mutilar para ser aceita”

A artista relembrou os casos de racismo que sofreu durante a carreira

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ludmilla fez um desabafo sobre os episódios de racismo que sofreu durante sua carreira, durante uma entrevista para a “Folha de S. Paulo”.

A artista contou sobre as plásticas que se ‘sentiu obrigada’ a fazer, para pode se sentir aceita pela sociedade, através de uma imagem distorcida que tinha da própria imagem.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Eu era a MC Beyoncé lá atrás. Tem alguma propaganda com a MC Beyoncé? Não tem! Porque eu não era padrão”, ela contou.

“Não era aceita. Nenhuma marca queria ser representada pela MC Beyoncé. Por isso, tive que me mutilar, afinar meu nariz, porque queria ser aceita”, relembrou.

Em 2014, a artista se apresentava como ‘MC Beyoncé’, antes mesmo de emplacar hits como “Sem Querer” e “Hoje”.

VEJA MAIS: Site expõe dossiê sobre supostas traições de Nego do Borel; confira

Ainda durante sua entrevista com o jornal, a artista lamentou a perda do processo contra Val Marchiori. Na época, a socialite comparou o cabelo da cantora com uma palha de aço durante o Carnaval.

Foi muito triste, ainda mais vindo de uma pessoa que deveria estar ali protegendo os brasileiros, preservando e conservando uma luta que vem de anos”, ela disse.

“E, talvez, fazendo uma reparação que é histórica, porque o racismo estrutural é histórico. Senti que a gente andou uns anos para trás, porque olha quantas pessoas se sentiram fortes depois da decisão de falar que aquilo é liberdade de expressão”, contou.

“Ela (Val Marchiori) comemorou em vídeos nos stories, tomou champanhe. Outras pessoas se sentem fortes para comparar nossos cabelos com Bombril”, a cantora desabafou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio