Ludmilla exibe Black Power em capa de revista e fala sobre racismo

“A fama e o poder não me livraram do racismo”, revela a funkeira

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Neste mês, Ludmilla é capa da revista GQ Brasil. A musa exibiu seu Black Power perfeito, e concedeu uma entrevista sincera sobre o preconceito que sofre por ser mulher, negra e bissexual.

Ludmilla cresceu na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, e quando deu início em sua carreira, contudo, não foi fácil, primeiramente pela falta de recursos e em seguida por conta do preconceito. Ela citou um exemplo de quando uma colega postou uma foto sua nas redes sociais fazendo alusões racistas sobre seu cabelo: “Escreveu, entre outras coisas, que eu tinha cabelo de bombril”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

(Foto: Reprodução Instagram/@gqbrasil)

VEJA TAMBÉM: Assim como Billie Eilish, veja 10 cantoras que chocaram ao mostrar seus “corpos reais”

A funkeira revelou que bateu de frente com a colega, na ocasião. No entanto, esse foi só um dos episódio que ela sofreu ao longo de todos esses anos: “A fama e o poder não me livraram do racismo”.

Ludmilla ainda revelou que antes de assumir seu relacionamento com Brunna Gonçalves, era ameaçada por “amigos” que falaram que iam contar para sites de fofoca a bissexualidade da cantora: “Diziam que iam para os sites de fofoca revelar que eu gostava de pegar mulher.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio