cazuza
O cantor carioca Cazuza (FOTO: Reprodução)

A filantropa Lucinha Araújo, mãe do cantor Cazuza afirmou que grupos apoiadores de Jair Bolsonaro não poderão usar músicas do artista em seus protestos políticos. A matriarca que gere a “Fundação Viva Cazuza” surpreendeu ao se posicionar sobre os eventos favoráveis recentemente feitos por apoiadores radicais do presidente Jair Bolsonaro.

Na semana passada, protestos a favor de Bolsonaro chegaram a usar o hit ‘Brasil’, canção lançada em 1988 na redemocratização do país. O músico, que faleceu no ano de 1990, compôs o hino ao lado de Nilo Romero e George Israel. Trazendo versos emblemáticos, como “Brasil, mostra a tua cara/Quero ver quem paga/Pra gente ficar assim”, o hit se tornou uma das canções políticas mais vendidas da história brasileira. A canção é a sexta faixa do CD Ideologia, lançado em 1988.

VEJA TAMBÉM: O dia em que Cazuza cuspiu na bandeira do Brasil e causou revolta no país

Numa entrevista ao colunista Ancelmo Góes, Lucinha Araújo comentou sobre a ação. De acordo com a matriarca, a fundação Viva Cazuza usa do artigo 20 da Lei de Direitos do Autor para fazer o veto ao uso das canções do cantor e compositor em protestos que atentem contra a democracia brasileira. A legislação diz que, quem usar esse tipo de música, sem autorização do autor, pode até ser processado. A mãe do cantor Cazuza se recorda que o músico foi um veemente defensor da democracia. 

Além disso, de acordo com Lucinha, ela e os organizadores da fundação estão cumprindo todas “as orientações da OMS, que recomenda que a população fique em casa, em isolamento”. “Pensando no bem de todos, sendo solidários e trabalhando para diminuição do sofrimento e privação dos mais vulneráveis”, afirmou a mãe de Cazuza.

Nas redes sociais, a página da fundação Viva Cazuza também se manifestou sobre a proibição.

Confira a letra da canção abaixo:

Não me convidaram pra essa festa pobre
Que os homens armaram pra me convencer
A pagar sem ver toda essa droga
Que já vem malhada antes de eu nascer
Não me ofereceram nenhum cigarro
Fiquei na porta estacionando os carros
Não me elegeram chefe de nada
O meu cartão de crédito é uma navalha
Brasil, mostra a tua cara
Quero ver quem paga pra gente ficar assim
Brasil, qual é teu negócio
O nome do teu sócio
Confia em mimNão me convidaram pra essa festa pobre
Que os homens armaram pra meconvencer
Apagar sem ver toda essa droga
Que já vem malhada antes de eu nascer
Não me elegeram a garota do fantástico
Não me subornaram, será que é meu fim
Ver tv a cores na taba de um índio
Programada pra só dizer sim
Brasil mostra tua cara
Quero ver quem paga pra agente ficar assim
Brasil qual e teu negocio
O nome do teu socio confie em mim.
Grande pátria desimportante
Em nenhum instante eu vou te trair
Brasil mostra a tua cara quero ver quem paga
Pra gente ficar assim.
Brasil, qual é teu negócio
O nome do teu sócio
Confia em mim
Brasil mostra a tua cara quero ver quem paga
Pra gente ficar assim.
Brasil, qual é teu negócio
O nome do teu sócio
Confia em mim
O meu Brasil!