marcelo d2
(FOTO: Reprodução)

Numa entrevista ao jornal “Estadão”, o rapper Marcelo D2 revelou que desde que aconteceram as últimas eleições no Brasil, ele vem recebendo ameaças de morte. Desde o ano passado, o músico vem gerando discussões acaloradas nas redes sociais por usar a sua voz para opinar sobre os caminhos da política nacional.

“Eu realmente queria participar um pouco mais ativamente do momento político do País, sabe? Acho que estamos caminhando por lugares perigosos. Nunca votei no Lula, mas em 2006 lhe escrevi uma carta cobrando ele sobre seu papel e acho que o meu papel como artista, o lugar onde eu mais me sinto bem, é esse: o da mobilização social para fazer arte. E a internet é boa pra isso. Sou ameaçado todos os dias. Recebo de 3 a 4 ameaças de morte por semana, tá ligado? Mas tem muito falácia de internet também. Eu não tenho medo. Vou citar o Marcelo Yuka de novo: ‘paz sem voz não é paz, é medo’” afirmou o músico.

Marcelo D2 critica Bolsonaro e é chamado de “maconheirinho”

Marcelo D2, tem usado sua conta no Twitter para fazer campanha contra o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL). O rapper que sempre teve um comportamento mais politizado, vem criticando o militar aposentado e seus apoiadores.

VEJA TAMBÉM: James Brown pode ter sido assassinado segundo investigação da CNN

Em uma das suas últimas postagens feitas no domingo (dia 14), Marcelo D2, disparou contra o candidato do PSL, questionando: “Me diz, como alguém vota num doente desses?”. Junto da pergunta, D2 postou um vídeo em que Bolsonaro aparece falando: “Tenho imunidade parlamentar, então posso falar: sou homofóbico, sim!”.

Em outro tuíte, D2 é criticado e chamado de “maconheirinho” por um usuário do Twitter que lhe acusou de estar criticando Jair Bolsonaro pelo fato de supostamente receber recursos para seus projetos através da Lei Rouanet.

No mês de outubro, estreou nos cinemas do Brasil, a cinebiografia “Legaliza Já – Amizade Nunca Morre”. O filme marca os 25 anos do grupo Planet Hemp, comemorados neste ano e mostra a amizade entre Marcelo D2 (Renato Góes) e o músico Skunk (Ícaro Silva), que morreu de Aids sem ver o sucesso da banda que ajudou a criar.