marcelo jeneci
O músico Marcelo Jeneci (FOTO: Reprodução)

Marcelo Jeneci sorri com as palavras. De fala serena, um dos maiores músicos da sua geração detalha os muitos planos de futuro. “Feito Pra Acabar“, o álbum de estreia – lançado pelo slap, selo da Som Livre -, completa uma década em 2020. Ao olhar para trás, Jeneci se enxerga em um momento único de descoberta de quem era como artista. Dez anos passados, ele ainda se descobre. Essa é a graça da vida e da arte, afinal.

Jeneci aprendeu, ao longo do caminho, a estar “exatamente aqui”, como ele cantou com Tulipa Ruiz em “Dia a Dia, Lado a Lado”, single lançado no intervalo entre o segundo e o terceiro álbum, o recente e transformador “Guaia”, de 2019, indicado ao Grammy Latino.

É a segunda vez em que Jeneci está entre os selecionados do mais importante prêmio da música na América Latina. Em 2014, concorria com o segundo álbum de carreira, na categoria de melhor disco de música popular brasileira. Era o único compositor de uma nova safra em meio à gente do calibre de Marisa Monte (a vencedora na ocasião), Ivan Lins, Zeca Baleiro e Nana, Dori e Danilo Caymmi.

Agora, ele está na disputa com “Guaia”, um álbum que traduz em músicas o amadurecimento pelo qual Jeneci passou nos últimos 5 anos, ao lado de artistas de uma geração mais recente. Sinais dos novos tempos.

Jeneci entendeu esse tempo. Lidou com ele como pode, a partir das experiências de reconexão com a natureza e com quem ele é. “Foi um tempo para me aproximar da expressão sem tanta intensão“, explica Jeneci. “Você vê a expressão pura no rosto de uma criança“.

VEJA MAIS: Dias após casamento, marido de Gretchen faz tatuagem do rosto e corpo da cantora

“Guaia” é essa expressão sem intensão de Jeneci. “Fiquei cinco anos conectados à minha natureza, em meio a uma natureza mais selvagem. Fui devolvido, aos poucos, a mim mesmo. A partir de então, tenho me sentido no mesmo vórtice que me fez inaugurar a fase de artista autoral para criar o álbum ‘Feito Pra Acabar’. Me sinto tomado pela mesma força“.

Existe uma conexão intrínseca entre “Feito Pra Acabar” e “Guaia”. É inevitável, até. Musicalmente, claro, Jeneci está em outro plano estético e sonoro. Também não olha para trás com um sentimento de nostalgia, pelo contrário: Jeneci criou um buraco no tempo e espaço para estar no passado e presente, simultaneamente.

Isso porque, uma década passada do álbum que o lançou para o mundo e para dianteira do palco, depois de uma intensa carreira como músico a acompanhar artistas como Chico César, Arnaldo Antunes e Erasmo Carlos, ele volta à se entregar ao álbum “Feito Pra Acabar” a partir da perspectiva de hoje.

Foto: Divulgação

Marcelo Jeneci lança “Feito Pra Acabar – 10 Anos“, um projeto especialíssimo, na exata data em que colocou no mundo a primeira versão do álbum, em um dia 30 de outubro. “Me coloquei como objetivo lançar esse disco no mesmo dia em que saiu o primeiro“, conta o artista. É o disco de 2010, mas com o artista de 2020, entende?

Eu explico: o álbum chegará em uma versão renovada, também pelo slap, com quatro novas músicas. Delas, três são inéditas: “Rara” (nome dado à música em homenagem à filha dele), “Me Sinto Bem” e Doce Loucura”. Também está incluída em “Feito Pra Acabar – 10 anos” uma versão em italiano de “Felicidade” (ponto de encontro imaterial entre o artista e milhares de pessoas) com a participação de Erica Mou.

Durar no tempo já é uma celebração. Revisito tal estreia, cultivando o atual“, diz Marcelo Jeneci, sobre o período de isolamento social.

Confira o clipe:

Ouça no Spotify: