MC Gui é proibido de viajar sem autorização após aglomerar em cassino

Publicado em 1/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

MC Gui está respondendo criminalmente pela ida à cassino clandestino, em São Paulo. A Vara do Juizado Especial Criminal do TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo) proibiu o cantor de viajar sem algum tipo de autorização e o funkeiro deve se apresentar à Justiça a cada três meses, presencialmente, para informar sobre suas atividades.

As condições estipuladas pelo juiz Fabricio Reali Zia são resultado de um flagrante que aconteceu em março deste ano. O cantor esteve dentro de um cassino clandestino de luxo com aproximadamente 150 pessoas. Na ocasião, jogador de futebol Gabigol também foi encontrado no local. Eles respondem por crime contra saúde pública por aglomeração.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

(FOTO: Reprodução)

VEJA MAIS: RICA! Luísa Sonza revela que novo clipe custou R$ 1 milhão

Por conta disso, MC Gui não poderá deixar de comparecer à comarca local por mais de 15 dias. O cantor também precisa cumprir outras medidas, como a proibição de frequentar casas de jogos e prostituição. As limitações da Justiça deverão ser cumpridas por dois anos.

Confira um trecho da decisão:

Declaro a suspensão do processo por dois anos com as condições previstas no § 1º, incisos II a IV do mencionado artigo, ou seja, proibição de frequentar lugares de reputação duvidosa; casas de jogos, casas de prostituição, proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem autorização do Juiz, por mais de 15 (quinze) dias; comparecimento pessoal e obrigatório a Juízo, TRIMESTRAL, para informar e justificar suas atividades, assim que liberado o ingresso ao fórum para as referidas justificações, tudo sob pena de revogação. Determino à serventia a fiscalização das apresentações à Justiça, mediante elaboração de termo de comparecimentos. Deixo registrado, por fim, que a contagem do prazo de dois anos incia-se desde já, inclusive no que concerne às apresentações a justiça”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio