camila cabello
A cantora de ascendência cubana Camila Cabello (FOTO: Reprodução)

Normani estampou pela primeira vez a capa da revista Rolling Stone – um grande marco para a sua carreira, e no bate-papo não se absteve de entrar em polêmicas. Em sua entrevista, há um trecho em que ela comenta os posts racistas de Camila Cabello, que foram publicado em 2012, quando a cubana tinha apenas 15 anos, e foram resgatados em 2019, quando Cabello já estava com 22. A colega de Fifth Harmony se desculpou, mas mesmo assim Normani admite que ficou sentida com os posts.

Normani comenta em um trecho da entrevista: “Eu lutei muito contra falar sobre isso, porque eu não queria que isso se tornasse parte da minha narrativa, mas eu sou uma mulher negra, que é parte de uma geração inteira que viveu uma historia similar. Eu encaro ataques insensíveis todos os dias, assim como o resto da minha comunidade. Seria desonesto se eu dissesse que esse cenário, em particular, não me machucou”.

VEJA TAMBÉM: Wesley Safadão pinta o cabelo de roxo após visual “Ana Maria Braga”

Camila Cabello já admitiu o seu erro, disse que era ignorante e que se sente “com muita vergonha” de seus próprios posts e a linguagem que usou no passado. Em seus posts ela usava palavras como “nigga” e “nigger” – consideradas como linguagem racistas na língua inglesa, visto que essas palavras são usadas para humilhar a população negra.

“Eu nunca machucaria ninguém intencionalmente, eu me arrependendo do fundo do meu coração. Mesmo que eu deseja muito, eu não posso voltar no tempo e mudar as coisa que eu disse no passado”, publicou Camila em uma entrevista “agora sou adulta, cresci e aprendi, estou consciente da historia de dor que isso carrega de uma maneira que não estava antes. Esses erros não representam a pessoa que eu sou agora uma pessoa que eu já fui”.