Anitta
A cantora Anitta nos bastidores do clipe "Medicina" (FOTO: Divulgação)

Anitta continua com uma ótima fase em audiência no Spotify Brasil. Na nova atualização do serviço de streaming, a cantora carioca desponta com presença de mais de 10% na parada das 50 canções mais ouvidas no Brasil.

Entre as faixas solo e colaborações, Anitta agora possui 7 músicas dentro das 50 canções mais ouvidas do Spotify Brasil, um dos grandes marcos em sua carreira.

VEJA TAMBÉM: “Ela está se animando” afirma Mel B sobre Victoria Beckham no retorno das Spice Girls

Enquanto o lançamento “Medicina” segue em primeiro lugar, a parceria “Fica Tudo Bem”, música de Anitta com Silva, retornou ao Top 50 das mais ouvidas do Spotify Brasil alcançando a 47ª posição. As outras músicas de Anitta presentes no Top 50: “Ao Vivo e a Cores”, parceria com a dupla Matheus & Kauan (2º lugar); “Romance com Safadeza”, parceria com Wesley Safadão (10º lugar); “Coladinha em Mim”, parceria com Gustavo Mioto (21º lugar); “Indecente” (33º lugar) e “Vai Malandra” (40º lugar).

Outro chamariz de Anitta no Spotify é na parada Viral Global. Com a nova “Medicina”, a nova atualização do serviço de streaming colocou Anitta na 37ª posição na lista global das canções virais.

Anitta rebate críticas sobre o desempenho de “Medicina” no mercado latino

Neste domingo (dia 22), o portal G1 publicou uma matéria analisando o desempenho de “Medicina”, nova música de trabalho de Anitta no mercado latino. Na nota divulgada, o G1 informa que “Medicina” ainda não teve um grande desempenho nos países onde a língua nativa é o espanhol e que somente as músicas da cantora em parceria com J. Balvin tiveram uma boa performance no mercado latino.

Através do seu Twitter, Anitta se manifestou discordando sobre a forma como analisaram sua carreira e rebateu as críticas do G1:

“Explicando um pouco sobre carreira e gráficos de crescimento com exemplos práticos. Antes do meu país me conhecer com “Show das Poderosas” eu tive 5 singles trabalhados. Nestes meu alcance era regional carioca em sua maioria (por ser meu local de origem) respingando um pouco nas suas adjacências. Com “show das poderosas” houve um pico bem parecido com o de “Downtown”, citado na matéria. E logo depois uma pequena queda para o singles seguintes muito comum depois de picos grande como esse (favor analisar qualquer gráfico de crescimento). Depois de mais de um ano a música que conseguiu chegar próximo deste patamar foi “zen”, mesmo assim nada comparado à rapidez meteórica dos resultados o primeiro grande hit. Depois mais uma pequena queda nos singles seguintes após o pico de zen e seguimos estáveis até BANG, feito alguns vários anos depois. Isso tudo para explicar que… assim funciona um projeto de carreira. Sem pressa e desespero de meter os pés pelas mãos de frustrando com coisas naturais como curso normal de um gráfico de crescimento temporal. Depois de bang ouve mais uma pequena queda e estabilidade até chegar Vai Malandra anos depois. Não há como comparar a rapidez de resultados de um mercado trabalhado por 7 anos incessantes com a de um mercado que começou a ser explorado há apenas 1 ano. Obrigada”, escreveu a artista.

Logo depois Anitta também acrescentou uma última informação:

“Sinto informar que não temos expectativa de alcançar um fenômeno como “Downtown” tão cedo assim por que fenômenos são acontecimento mais raros e não tão frequentes assim”.