A legendária banda britânica The Beatles (FOTO: Reprodução)

Quando os Beatles conheceram Elvis Presley em 1965, o Rei não estava exatamente no auge da criatividade. A trilha sonora de Girl Happy, um filme que ele lançou naquele ano, chegara recentemente às lojas de discos e alcançou um sucesso modesto. Mas “Do the Clam” (de Girl Happy) estava muito longe da “Sun Records Elvis” dos anos 50.

Os Beatles realmente não se importavam. Eles idolatravam o Rei desde que eram adolescentes e não podiam acreditar que finalmente o conheceram. John Lennon estava especialmente animado naquele dia. Uma década depois, ele ainda se lembrava dos calafrios que sentia por estar sentado na mesma sala que Elvis.

O HISTÓRICO ENCONTRO DOS BEATLES E ELVIS PRESLEY #286 - YouTube
(FOTO: Reprodução)

Mas, mesmo depois que os Beatles começaram a passar mais tempo nos EUA, Lennon não foi ver seu ídolo se apresentar em um show. Mais tarde, quando Lennon começou sua vida na América nos anos 70 (em Nova York com passagens por Los Angeles), ele continuou recusando a oportunidade de assistir ao Rei no palco.

VEJA MAIS: Só de cueca! Leonardo relembra o dia em que foi socorrido por Xororó

No início de 1975, Lennon estava alguns meses afastado do primeiro single nº 1 de sua carreira solo. Com a era do disco entrando em ação, ele acabou de lançar seu álbum Rock ‘n’ Roll. Antes de deixar a cena musical pelo resto da década, Lennon conversou com a revista Spin sobre eventos recentes e antigos.

Sobre o assunto de Elvis e seu encontro de 65, Lennon lembrou do rei ainda em boa forma, fisicamente. “Ele parecia ótimo naquela época, sem peso sobre ele”, disse à Spin. Na época, ele disse que estava “morrendo de vontade” de ver Elvis se apresentar. “Eu gostaria de vê-lo em Vegas porque é onde ele deveria estar em casa”, disse ele.

Mas, o ex membro dos Beatles, não conseguiu fazer isso naquele ano. “Eu ficaria envergonhado se eles dissessem: ‘E lá na platéia está John Lennon’”, disse ele à Spin. No final do ano (julho de 75), Elvis tocou no Nassau Coliseum, não uma grande caminhada da casa de Lennon em Manhattan.

Lennon também perdeu esse encontro. Nos dois anos seguintes, Elvis continuaria a fazer digressões constantes por todo o país, frequentemente para grandes públicos. E Lennon nunca chegou a um dos shows do King.

Alguns anos depois, Lennon estava encerrando seu período de “marido de casa” e retornando à cena com Double Fantasy (1980). Nos meses que antecederam seu lançamento, ele e Yoko Ono conversaram com David Sheff para as lendárias entrevistas da Playboy que se tornaram All We Are Saying. E ele ainda não tinha acabado de falar sobre Elvis.

Nunca fui ver Elvis, embora tenha tido a oportunidade de vê-lo e o adorasse como as pessoas adoravam os Beatles”, disse Lennon. “Mesmo se ele não fosse gordo e drogado, ele não poderia ser aquele cara que cantou‘ That’s All Right ’de novo.

Lennon contou a Sheff sobre um amigo que era um fã ainda maior de Elvis que viu o Rei em Vegas. Ele disse a Lennon que se ele “fechasse os olhos e fingisse”, então “era o paraíso“. Lennon não queria fingir. “Eu não iria porque sabia que não era Elvis”, disse ele. “Não foi ele quem fez os outros registros.”