michael jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução)

Michael Jackson tinha um testamento secreto, que mostrava exatamente como ele queria que seus milhões fossem gastados, porém segundo o jornal New York Post esse documento sumiu.

O ex-porta-voz do cantor, Raymone Bain, relatou que tinha um documento legal feito três anos antes de sua morte, que dizia que ‘ele queria que seu legado fosse preservado’.

Durante uma coletiva de imprensa no ano passado em Nova York, Bain disse: “Michael Jackson tem sido uma vítima desde a sua morte, uma e outra vez, e é hora de parar. É moral, ética e legalmente errado (…) Nós lemos constantemente após sua morte que Michael morreu com uma dívida de US$ 500 milhões (R$ 2 bilhões). Mas… Michael não tinha o catálogo dos Beatles? Bob Dylon, Ray Charles e algumas das gravações de Elvis Presley? Ele não vendeu 50 shows em um período de 24 horas?”, perguntou.

Raymone afirmou que ela viu o Michael assinar o testamento em 2006, o qual substituiria o atual de 2002, mas que sumiu após a sua morte e não foi visto desde então.

A mulher justificou: “Você não tem ouvido falar muito de mim por 10 anos. Eles me pediram para falar sobre certos assuntos sobre Michael Jackson. Eu gosto da direção que o patrimônio tomou nos últimos anos? As alegações sobre Michael Jackson e se seu legado foi protegido e mantido nos últimos 10 anos? Assim como seu publicitário, eu era a mulher licenciadora de sua música. Eu tinha quatro procurações, incluindo o rancho Neverland e várias contas bancárias… Ele era metódico, minucioso e preciso. Eu desejei, esperei e rezei para que o testamento de Michael Jackson datado de 6 de outubro de 2006 fosse encontrado, revelado, descoberto… Eu não tenho, não sei onde está e temos que lidar com a mão que recebemos. Mas tive a honra de sentar-se com ele e o notário.”.

De acordo com o ex-porta voz, a decisão de Michael Jackson era fazer doação a universidades e ajudar estudantes negros.

“Nos 10 anos desde a sua morte … eu não conheço nenhuma bolsa de estudo, nenhum dom, nenhuma cadeira, nenhuma escola ou contribuição para qualquer faculdade e universidade historicamente negras, ou faculdade ou universidade em nome de Michael Jackson. Eu não conheço nenhum estúdio de gravação, hospital, clínica, fundação, caridade. Eu não ouvi nenhum presente ou contribuição importante para qualquer organização que tenha sido nomeada por ele ou dada em nome de Michael Jackson.”

VEJA TAMBÉM: Ivete Sangalo e Whindersson Nunes lançam o divertido clipe de “Coisa Linda” gravado na quarentena

No testamento antigo de 2002, Jackson deixava toda sua fortuna para a família, e nomeava sua mãe Katherine como a titular de seus três filhos Prince, de 22 anos, Paris, de 21 e Blanket, de 17.

Os representantes da fortuna de Jackson disseram ao jornal The Independent: “Raymone Bain não está autorizada a agir em nome de Michael Jackson nem a usar o nome de Michael Jackson para fins beneficentes ou para fins comerciais”.