Michael Jackson não tinha bom relacionamento com irmã, entenda motivo

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Michael Jackson nunca fez realmente segredo de que não era próximo de todos os membros da sua família. Apesar de uma vez ter compartilhado o palco com os seus irmãos como parte da banda Jackson 5, à medida que o falecido Rei da Pop amadurecia, rapidamente percebeu que a distância dos seus parentes lhe parecia bastante importante.

Quando uma série de alegações sobre o amor de Michael pelas crianças foi feita, alegando que o cantor, cuja marca acumulou 2 biliões de dólares desde a sua morte em 2009, tinha relações inadequadas com menores, foi a sua irmã La Toya Jackson que apoiou essas acusações, condenando publicamente o seu irmão em público.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

(Foto: Reprodução)

VEJA MAIS: Corpo de Michael Jackson estaria sem nariz quando foi encontrado

Sem quaisquer provas que indicassem que ele era culpado do crime, La Toya não demonstrou o seu apoio a Michael, quando a sua carreira musical a decair devido as acusações.

Na sequência de várias alegações sobre o mau comportamento de Michael envolvendo Jordan Chandler, de 13 anos de idade, foi La Toya o primeiro da família do cantor a falar contra o seu irmão numa entrevista de 1993 à MTV.

A cantora certamente não se conteve, ao mesmo tempo que insinuou fortemente que, embora não tivesse provas das alegadas irregularidades do seu irmão, porque também já tinha tido uma longa relação abusiva, La Toya disse que compreendia como as vítimas de Michael podem ter ficado assustadas por se terem apresentado.

Além disso, ela também afirmou que não havia absolutamente nada de normal num adulto do sexo masculino dormir no mesmo quarto que os seus “amigos” menores de idade, salientando que se fosse qualquer outro indivíduo a fazê-lo, eles teriam sido penalizados por isso.

La Toya sentiu fortemente como se o seu irmão mais novo tivesse recebido um passe pelo seu mau comportamento por causa do seu poder e riqueza – especialmente com a notícia emergente de que Michael Jackson teria pago ao Chandler 20 milhões de dólares para resolver o caso fora do tribunal.

“Se eu permanecer em silêncio significa que alimento a culpa e humilhação que estas crianças estão a sentir, e penso que é muito errado”, disse numa entrevista à MTV.

La Toya confirmou que tinha visto vários cheques da sua mãe “em quantidades muito, muito grandes” que tinham sido enviados aos pais das alegadas vítimas.

“Eu própria sou uma vítima, e sei como é, e estas crianças vão ficar com cicatrizes para o resto das suas vidas. E não quero ver mais crianças inocentes e pequenas serem afetadas desta forma”, continuou ela.

La Toya também questionou quantas pessoas estariam bem com a ideia de ver um homem compartilhar uma cama com um menor durante até 30 dias – ela sublinhou que ninguém que ela conhecesse estaria bem com qualquer adulto compartilhar uma cama com o seu filho, então porque é que o Michael estava bem em fazer isto?

“Agora para e pensa por um segundo e diz-me, que homem de 35 anos vai levar um rapazinho e ficar com ele durante 30 dias? E levar outro rapaz e ficar com ele durante cinco dias num quarto e nunca sair do quarto?” continuou ela.

“Quantos de vocês têm 35 anos de idade? Quantos levariam crianças pequenas e fariam isso? Que tem 9, 10, 11 anos de idade? Eu amo o meu irmão, mas é errado. Não quero ver estas crianças magoadas”.

À medida que mais acusações de abuso infantil surgiram com Michael ao longo dos anos 90, o cantor começou a distanciar-se completamente dos seus familiares – com a exceção da sua irmã, Janet Jackson, com quem o astro tinha uma estreita ligação.

La Toya, por outro lado, acreditava-se ter sido excluída da vida de Michael pelos seus comentários contra ele.

Diz-se que os dois acabaram por começar a falar novamente, mas isso nunca foi confirmado, nem havia quaisquer provas que indicassem que Michael tinha perdoado o sua irmã por o acusar de ser um pedófilo.

Em 2011, apenas dois anos após a morte de Michael, La Toya retratou a sua infame declaração sobre o seu falecido irmão, dizendo ao The Daily Beast que “nunca acreditei por um minuto que o meu irmão fosse culpado de algo do género”.

“Quando falei com Michael sobre isso anos mais tarde, ele disse-me que sabia que não era eu a dizer essas coisas… Ele sempre soube que não era verdade”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio