Michael Jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução)

A polêmica envolvendo o documentário “Leaving Neverland”, que aborda supostos casos de pedofilia de Michael Jackson, continua tomando grandes proporções. O longa-metragem que traz depoimentos de vítimas e também novas provas contra o cantor, agora teria influenciado nas execuções das músicas de Michael Jackson nas rádios.

De acordo com a imprensa britânica, algumas rádios internacionais estão eliminando as músicas de Michael Jackson de sua programação por causa da “atmosfera tóxica” que passou a envolver o nome do cantor.

E as estações que optaram por banir as canções do cantor de seus programas não são poucas. São ao todo 23 estações do Canadá, duas da Nova Zelândia além de estações de rádio da Holanda e também da Noruega. No Reino Unido, a BBC 2 tem discretamente retirado as músicas do cantor de sua programação, mas sem formalmente em um boicote.

As histórias apresentadas pelo documentário vem sendo veementemente negadas pela família de Michael Jackson. Os familiares do cantor já iniciaram um processo contra o diretor Dan Reed e as supostas vítimas do cantor, Wade Robson e James Safechuck.

Suposta vítima de pedofilia de Michael Jackson afirma: “Existem outros garotos”

Wade Robson, uma das supostas vítimas de Michael Jackson, revelou no documentário Leaving Neverland os detalhes sobre o suposto abuso sexual que teria sofrido nas mãos do cantor.

Numa entrevista ao programa CBS This Morning, realizada nesta quarta-feira, dia 27, Wade criticou as recentes declarações da família Jackson em defesa do cantor e explicou sua motivação para abrir o jogo sobre sua relação com Michael Jackson.

Wade, hoje com 36 anos de idade, revelou: “Existem outros garotos que Michael abusou e não acredito que Jackson tinha garotos em sua volta a não ser que fosse abusá-los sexualmente.”

VEJA TAMBÉM: Bohemian Rhapsody será exibido na China sem cenas gays de Freddie Mercury

Perguntado se sentia que sua relação com Michael Jackson, quando pequeno, era inapropriada, Wade explica: “Não, porque eu sentia que entre todas as crianças, ele tinha me escolhido. Ele também me disse que nunca tinha feito nada disso com ninguém antes.”

Ao fim da entrevista, Wade ainda revelou que acredita que, se estivesse vivo, Michael Jackson continuaria o suposto abuso com outras crianças: “com apenas algumas diferenças nos detalhes.”

Uma dos maiores repercussões no Festival de Sundance, “Leaving Neverland” pretende resgatar a história de Wade Robson e James Safechuck, que quando crianças supostamente chegaram a ser abusados pelo artista quando visitavam seu rancho nos anos 90. Ações judiciais movidas por Robson e Safechuck contra Michael foram rejeitadas por um juiz em Los Angeles no ano de 2017.

VEJA TAMBÉM: 5 momentos chocantes do documentário sobre a suposta pedofilia de Michael Jackson

“No auge de seu estrelato, Michael Jackson começou relacionamentos duradouros com dois garotos de 7 e 10 anos e suas famílias. Agora com 30 anos, eles contam a história de como foram abusados ​​sexualmente por Jackson e como chegaram a um acordo para ficarem calados anos depois” diz a sinopse do longa-metragem. Leaving Neverland foi exibido em duas partes na HBO, nos dias 3 e 4 de março.