Nego do Borel
O cantor Nego do Borel (FOTO: Reprodução)

A má fase na carreira de Nego do Borel parece estar longe de acabar. Mesmo tendo manifestado arrependimento em relação a suas falas preconceituosas contra a transexual Luísa Marilac, o funkeiro voltou a ser criticado.

Durante o Carnaval de São Paulo, Nego do Borel foi vaiado pela multidão que acompanhou o Bloco das Gloriosas, da cantora Gloria Groove, e chegou a ser censurado pelos organizadores e DJs de blocos que desfilaram pelas ruas da capital paulista.

No domingo (dia 3), a faixa “Me Solta”, cujo clipe traz um polêmico beijo gay, chegou a ser tocada por uma DJ no Bloco das Gloriosas. A seguir, fortes vaias tomaram conta do local, em protesto contra o Nego do Borel.

VEJA TAMBÉM: Amigos se fantasiam de Beyoncé e Jay-Z no carnaval e viralizam na web

“Não toco mais as músicas de Nego do Borel por ser alguém que não me representa, não representa a minha comunidade e tenta se apoiar nela apenas por razões financeiras. A gente, como grupo, tem que se unir e parar de dar atenção pra quem só está pela gente quando os holofotes estão acesos”, afirmou ao Notícias da TV o produtor de TV e DJ Ciro Iadocico, que se apresentou no bloco “Pop Como Te Gusta”.

“Não toco as musicas do Borel por um motivo bem óbvio: por ser um LGBT+ e lutar pelas causas. As atitudes recentes do Nego foram lamentáveis, indo totalmente na contramão de tudo o que acredito e espero de um artista como ele. Musicalmente, eu gosto do trabalho, mas tem um monte de gente ótima por aí, e eu posso substituí-lo por artistas que dão voz e representam melhor”, explicou Bruno Legítimo DJ dos blocos “Domingo Ela Não Vai” e “Meu Santo É Pop”.

Vale ressaltar que em festas e em casas noturnas direcionadas ao público LGBT+, as canções de Borel já foram eliminadas do repertório dos DJs. No último Carnaval, não foi diferente.