ney matogrosso
O cantor sul-mato-grossense Ney Matogrosso (FOTO: Reprodução)

Ney Matogrosso foi o convidado do Sterblitch não tem um talk show: o Talk Show desta segunda, 20/7. O cantor falou sobre sua vida, carreira e também o vício em sexo que tinha.

O artista contou que sua marca registrada hoje – a de se apresentar com o rosto pintado – veio como meio de se proteger.

Eu tinha um bigode porque fazia uma peça. No dia seguinte, tirei porque eu queria pintar o rosto inteiro. A função da maquiagem era para me proteger. Eu ouvia dizer que artista não podia andar na rua. No primeiro ano, ninguém via meu rosto, eu não deixar ninguém me fotografar“, contou.

Bem-humorado, Ney Matogrosso contou com leveza alguns momentos marcantes de sua vida — Foto: Gshow
(FOTO: Gshow)

O rosto pintado chegou a lhe render um boato com o grupo KISS anos depois. Falaram que o grupo americano chegou a pedir autorização para o brasileiro para se maquiar, entretanto, não é verdade. No programa, ele explicou para uma fã o que aconteceu:

“Uns empresários, via empresário mexicano, queriam conversar comigo e me disseram que queriam me levar [para lá]. Eu disse não, estava começando uma carreira no Brasil. Eles me disseram que a imagem era boa, mas o som deveria ser mais pesado. E foi o que foi feito. O Kiss veio depois, um ano depois“.

LEIA TAMBÉM: Luísa Sonza pede sugestão de tatuagem após fãs verem “rosto” de Bolsonaro no cotovelo

O artista também relembrou a relação com a família, principalmente com o pai, que tinha um jeito completamente diferente do seu.

Saí de casa com 17 anos para viver minha vida, contrariando todos e o meu pai. Eu disse que não queria nada dele. Várias vezes ele me ofereceu e eu não aceitei. Não podia aceitar, era uma questão de honra. Às vezes eu tinha dinheiro, às vezes não, mas era isso. Uma vez falei: ‘Sou pobre, mas feliz para caramba‘”.

Por muito tempo os dois viveram em conflito, contudo, algum tempo depois viraram grandes companheiros.

Chegamos a um termo muito equilibrado no final da vida dele. No início foi guerra, mas depois ficamos amigos. No fim, eu era o confidente. Assuntos da família que ele não falava, comigo ele falava“.

Ney Matogrosso também contou sobre seu vício em sexo no começo da carreira.

“Foi uma fase da minha vida que eu não dormia sem transar. Era difícil pra mim. Hoje não é mais assim porque é meio cansativo, né? Durou uns 10 anos”, disse.

O bate-papo rolou no Dia do Amigo, o que fez com que Edu perguntasse sobre os amigos que mantém em sua vida.

A amizade é uma coisa que a gente deve zelar por ela. É mais do que amor, mais do que casamento, mais do que namoro. Sabe? Os amigos são uma coisa que eu prezo muito, as amizades sinceras. Eu tenho bons amigos, na década da AIDS eu perdi quase todos. A AIDS solapou, foi barra pesada. Quando ela surgiu, diziam que era doença de gay. Mas nunca na minha cabeça, um vírus pudesse escolher alguém por causa da sexualidade“, falou Ney Matogrosso.